Toni Sandro, presidente-executivo do São Paulo Convention & Visitors Bureau, expõe suas ideias para tornar o destino Estado do Espírito Belo e Santo destaque tanto dentro do Brasil quanto até mesmo fora dele. “O fundamental é a união. Potencial, você têm. Basta aproveitá-lo” — diz ele.

 

Toni Sandro: “Vocês podem ser maiores do que são em turismo”

 

 

Toni Sandro: “Turismo e negócio. E, como negócio, precisa ser tocado com eficiência”

“Turismo tornou-se fornecedor de aprendizados, afetos, experiências, vivências. Profissionais e destinos precisam explorar estes caminhos. O Estado do Espírito Santo tem potencial inesgotável para isso: cultura, gastronomia, história, natureza, povo…”

 

Como identificar os desafios que o Estado do Espírito Belo e Santo precisa vencer para se tornar, realmente, um destino de turismo de destaque em todo o Brasil, e até mesmo fora dele? E, conhecendo-os, que atitudes tomar frente a eles? Um profissional dos mais experientes do País neste setor, Toni Sandro, propôs uma saída, baseada num conjunto de estudos, planejamentos e execuções definidas em cima de três insights bem simples.

1 — Nós somos um; 2 — Eu vivo, eu curto, eu compartilho; e, 3 — Turismo é negócio. Atual presidente-executivo do São Paulo Convention & Visitors Bureau, Toni Sandro desenvolveu estas ideias em duas palestras na Cidade Presépio de Vitória: no dia 29 de março, frente a gestores da Universidade Federal do Espírito Santo — Ufes; no dia 30, perante empreendedores do setor, membros dos Poderes Públicos e demais interessados.

 

Toni Sandro: “Turismo e negócio. E, como negócio, precisa ser tocado com eficiência”

Toni Sandro, também vice-presidente da União Nacional das Entidades de Destinos — Unedestinos, fez duas palestras na Cidade Presépio de Vitória: a primeira para gestores da Universidade Federal do Espírito Santo — Ufes; a outra, para profissionais do setor

 

Toni Sandro: “Nós somos um”

 

Toni Sandro usou o conceito da Pangeia — era geológica em que todas as superfícies de terra, hoje separadas em continentes, formava um bloco único — para fundamentar seu primeiro pressuposto: Nós somos um. “O que era junto e foi separado está unido outra vez. E isso veio sendo alcançado de diversas maneiras, ao longo dos milênios: meios de transporte, formas de comunicação e, principalmente, pelas ferramentas de tecnologia.”

Numa humanidade cada vez mais uma, Toni Sandro ressalta: “A pergunta não é mais ‘Para onde você quer ir?’ e, sim, ‘O que você quer sentir?’. Turismo tornou-se atividade fornecedora de aprendizados, afetos, experiências, vivências. E, tanto os profissionais quanto os destinos precisam explorar estes novos caminhos. O Estado do Espírito Santo tem potencial inesgotável para isso: cultura, gastronomia, história, natureza, povo…”

Citando o pesquisador Louis Pasteur — “O acaso só favorece a mente preparada” —, Toni Sandro chamou atenção para a necessidade de aprimoramento constante. “Não só para o capital humano. Todo o universo envolvido precisa se reciclar 24 horas por dia, sete dias por semana. De que adianta técnicos altamente qualificados se a infraestrutura deixa a desejar? De que adianta equipamentos século XXI com serviços século XIX?”

— Peço desculpas para citar exemplo bem particular: ao falarmos com alguém sobre Cidade de Vitória, lá na Cidade de São Paulo, normalmente ouvimos um ‘Hã?’ de dúvida. Ou seja: ela não é reconhecida como deveria ser. Vocês precisam trabalhar para mudar o ‘Hã?’ para um ‘Uau!’ de surpresa. Como, com recursos escassos? Criatividade, marketing de guerrilha, redes sociais. Tornar o pouco no muito que se precisa. Só isso.”

 

Toni Sandro: “Turismo e negócio. E, como negócio, precisa ser tocado com eficiência”

“A pergunta não é mais ‘Para onde você quer ir?’ e, sim, ‘O que você quer sentir?’. Turismo tornou-se atividade fornecedora de aprendizados, afetos, experiências. O Estado do Espírito Santo tem potencial para isso: cultura, gastronomia, história…”

 

Toni Sandro: “Eu vivo, eu curto, eu compartilho”

 

Toni Sandro, também vice-presidente da União Nacional das Entidades de Destinos — Unedestinos, apoiou-se em William Shakespeare para dar início à explanação do seu segundo insight: “Em vivo, eu curto, eu compartilho.” Segundo ele, se o autor inglês vivesse agora, com certeza mudaria a redação da sua frase mais popular. Em vez de “Ser ou não ser, eis a questão”, com certeza, diria: “Curto ou não curto, eis a questão!”

— Um destino é construído bem menos por elementos herdados da natureza e muito mais pelos produtos que oferece, serviços que disponibiliza, eventos que promove e, fundamente, pelas pessoas que ali vivem, estejam envolvidas diretamente com o turismo ou não. O desafio de mobilizar este verdadeiro exército para trabalhar pelo bem-estar comum pode ser vencido com o aproveitamento criativo, inteligente, das redes sociais.

Com mais de meio século de experiência dentro da realidade brasileira, ele destacou as prioridades atuais dos gestores de nossas cidades: atendimento de saúde, disseminação da cultura, mobilidade urbana, proteção ao meio ambiente, qualidade de vida, segurança pública, universalização da educação… E enfatizou: “Infelizmente, o turismo fica nas últimas posições, apesar de contribuir para melhorar todas as outras listadas antes dele.”

— Já passou o tempo do esperar sentando por milagres. Todos os setores do turismo — aventura, cultural, ecológico, eventos, histórico, industrial, lazer, negócios, rural, saúde e por aí vai — precisam se unir e focar na criação dos seus “embaixadores do destino”. Quem são eles? Todo mudo: dos guias aos empreendedores, dos taxistas aos jornalistas, dos recepcionistas aos diretores, dos estudantes aos policiais, das crianças aos adultos.

 

Toni Sandro: “Turismo e negócio. E, como negócio, precisa ser tocado com eficiência”

“Ao falarmos sobre Cidade de Vitória, normalmente ouvimos o ‘Hã?’ da dúvida. Ela não é reconhecida como deveria ser. Vocês precisam trabalhar para transformar este ‘Hã?’ num ‘Uau!’ Como fazer isso? Criatividade, marketing de guerrilha, redes sociais”

 

Toni Sandro: “Turismo é negócio”

 

Assentado em suas vivências como membro do Conselho de Turismo do Estado de São Paulo, Conselho de Turismo do Município de São Paulo e da Academia Brasileira de Eventos e Turismo, Toni Sandro avançou ao terceiro insight — “Turismo é negócio” — afirmando: “Destinos inteligentes recebem mais visitantes porque usam o turismo como uma estratégia de desenvolvimento, criação de postos de trabalho, geração de renda…”

— Gente: turismo é negócio! Sendo negócio, deve ser tocado como eficiência. Todo visitante é importante. Mais que atendimento, merece acolhimento; mais que simpatia, merece empatia. O prazer que temos em servir precisa refletir em prazer de ser servido por aqueles que recebemos. A receita para isso? Não existe! Como bem definiu um dos grandes nomes da Grécia clássica, Heráclito: “Nada é permanente, exceto a mudança.”

De toda forma, Toni Sandro ressaltou: por mais complexo possa parecer este caminho, ele está baseado no fomento de ações geradas por verbos comuns, listados em ordem alfabética: andar, chegar, comer, comer, comprar, dormir, participar, passear, visitar, voltar… Aliás, este último é fundamental! E aqui podemos readaptar para o turismo uma fala histórica do imperador romano Júlio César: “Vim, vi, venci” em “Vim, vi, voltei.”

Toni Sandro então concluiu: “Vocês querem tornar o Estado do Espirito Santo destino destaque em turismo? Então, vou chover no molhado, porque já conhecem o conselho: mobilização! Associações classistas, entidades empresariais, instituições de governança, órgãos públicos, pessoas físicas, pessoas jurídicas… Não importa! Todos devem se unir em prol de objetivo comum, definido segundo metas possíveis de serem alcançadas.”

 

Toni Sandro: “Turismo e negócio. E, como negócio, precisa ser tocado com eficiência”

“O negócio do turismo, por mais complexo possa parecer este caminho, está baseado no fomento de ações geradas por verbos bastantes comuns, listados em ordem alfabética: andar, chegar, comer, comer, comprar, dormir, participar, passear, visitar, voltar…”

 


 

Clique nos trechos em colorido ao longo do texto para abrir novas guias, com informações complementares ao aqui sendo tratado. Eles guardam links levando para verbetes da Wikipedia e sites de empresas, entidades, Governos estaduais, Prefeituras etc.

A repetição da expressão “Toni Sandro” é intencional. Ela é a principal palavra-chave dos conteúdos. Colocá-la várias vezes na postagem faz parte das técnicas de Search Engine Optimization — SEO, ou otimização para ferramentas de busca. Ajuda a destacar o trabalho na lista apresentada quando se pesquisa com Bing, Google ou Yahoo!.

Nos meus textos de divulgação de turismo, adotei o critério de, ao citar uma cidade, fazê-lo em conjunto com seu apelido. Exemplo: Cidade Presépio de Vitória ou Cidade Canela Verde de Vila Velha. E, também, Estado do Espírito Belo e Santo.

Todas as fotos têm autoria identificada. Se algum autor não concordar com sua publicação é só avisar que será substituída.