Região passa meio ano alagada e meio ano seca. Vegetação, animais, pássaros e peixes adaptaram-se a este ciclo, criando um dos mais belos espetáculos naturais do planeta. Exploração descontrolado dos recursos naturais ameaça existência deste grande paraíso.

 

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

 

O surgimento da região do hoje Pantanal está relacionado à separação dos continentes, criando a África e a América do Sul, iniciada a 500 milhões de anos. O vasto espaço, ora seco, ora alagado, no Centro-Oeste da América do Sul, é resultado do choque entre a placa tectônica sobre a qual está o Brasil, indo de Leste para Oeste, e outra, abaixo do Oceano Pacífico, vindo em sentido contrário. Este embate de forças formou outras belezas ao redor.

 

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A placa onde fica o Brasil desloca-se de Leste para Oeste; aquela que carrega parte do Oceano Pacífico, em sentido contrário: Oeste para Leste. O ponto de encontro das duas dá-se na posição marcada pela linha azul, ao centro da imagem. A primeira é empurrada para cima, formando a Cordilheira dos Andes; a outra, para baixo, indo em direção ao centro da Terra

 

O Pantanal está cercado por cadeias montanhosas de formação antiga, como a Chapada dos Guimarães, ao Norte, a Serra da Bodoquena, ao Sul, e, a maior de todas, a Cordilheira dos Andes, a Oeste. Indícios provam que todas têm sua origem geológica na colisão daquelas duas placas. A primeira está sendo empurrada para cima; a segunda, para baixo. Geólogos concordam também não haver provas de antiga presença de mar sobre aqueles terrenos.

 

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

As montanhas que forma a Chapada dos Guimarães formam o limite Norte da área do Pantanal

 

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

As montanhas que formam a Serra do Bodoquena formam o limite Sul da área do Pantanal

 

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O maciço montanhoso das Cordilheiras dos Andes pode ser considerado o limite Oeste da região do Pantanal

 

Pantanal: maior planície criada por sedimentos na Terra; camada de areia soma 500 metros de espessura

 

O Pantanal constitui-se de uma planície formada pela deposição contínua de sedimentos trazidos pelos rios. Devido à baixa declividade do território, e ao estreitamento das saídas, na época da cheia, as águas vão se acumulando, cobrindo praticamente todo o terreno. E como demora até seis meses para serem escoadas, o efeito da decantação vai depositando ao fundo argila e matéria orgânica trazida desde as cabeceiras dos diversos rios, ao Norte.

Assim, o Pantanal é considerado uma das maiores planícies formadas por sedimentação no mundo. Ocupa grande parte do Centro-Oeste brasileiro e se estende pela Argentina, Bolívia e Paraguai, países nos quais tem outras denominações. Dificilmente pode ser estabelecido um cálculo exato de suas dimensões. A porção do Brasil, 65% no Estado do Mato Grosso e 35% no Estado do Mato Grosso do Sul, está estimada em 150.000 quilômetros quadrados.

Essa enorme extensão plana, pontilhada por morros isolados e muitas depressões rasas, limitada por chapadas, maciços e serras, é cortada por grande quantidade de rios, todos pertencentes à Bacia do Rio Paraguai. Estende-se por 1.400 quilômetros, correndo de Norte a Sul. Seus afluentes principais são Rio Taquari, com 850 quilômetros; Rio São Lourenço, 560; e Rio Miranda, 264. Outros são Rio Apa, Rio Aquidauana, Rio Cuiabá e Rio Piquiri.

 

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Ponte Velha no Rio Miranda, na divisa entre o Município de Jardim e o Município de Guia Lopes da Laguna, ambos no Estado do Mato Grosso do Sul. O Rio Miranda é um dos maiores cursos d’água da Bacia do Rio Paraguai, da qual faz parte toda a área alagável do Pantanal

 

Embora toda a área esteja submetida a processo semelhante de acumulação de sedimentos, a diferente disposição destes confere distintas características local a local. É como se houvesse vários pantanais. O brasileiro está dividido em 10 deles. Três ficam no Estado do Mato Grosso: Barão de Melgaço, Cáceres e Poconé; e sete no Estado do Mato Grosso do Sul: Abobral, Corumbá, Miranda, Nabileque, Nhecolândia, Paiaguás e Rio Negro.

 

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Pantanal é dividido em 10 regiões,cada uma delas com características particulares. Três ficam no Estado do Mato Grosso. Uma corresponde ao Município de Barão de Megaço

 

Esta divisão, destacada pela vegetação, tem a ver com a composição dos solos do Pantanal. Muito férteis na camada superficial, graças à deposição de matéria orgânica nas cheias, são estéreis em sua parte mais profunda, onde se encontra apenas areia. Se a primeira tem por volta de dois metros, a segunda já alcança os 500. Formada no passar dos séculos, cresce milimetricamente, ano a ano. Esse processo, num futuro longínquo, formará ali um deserto.

Enquanto isso não acontece, a cobertura vegetal varia entre as áreas alagáveis e aquelas não atingidas pelas águas. Nas regiões sujeitas às inundações, predominam os Campos Limpos, sem árvores, ou uma aqui outra ali. Verdadeiros tapetes de capim, são excelentes pastagens naturais para o gado e muitos herbívoros silvestres. Nas partes secas, há de tudo: vegetação rasteira, árvores de médio porte, Matas Ciliares, Matas de Capão, Vegetação de Cerrado

 

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Exemplo de área de Cerrado, um dos tipos de vegetação encontradas na área do Pantanal

 

As Matas Ciliares, ou Matas de Galerias, margeiam rios e cursos d’água como canais. As Matas de Capão, de porte mais alto, são encontradas nas partes mais elevadas, ainda com solo rico em nutrientes, mas com as raízes tendo de buscar água no lençol subterrâneo. São coberturas constituídas por espécies do Cerrado, entremeadas por vários elementos típicos de Caatinga. Estes são mais frequentes quanto mais elevado o terreno e mais pobre a terra.

 

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Exemplo de área de Caatinga, um dos tipos de vegetação encontradas na área do Pantanal

 

Podemos dividir o clima na região do Pantanal em quatro estações distintas: Seca, indo do mês de junho ao mês de setembro; Enchente, outubro a dezembro; Cheia, janeiro a março; e, Vazante, abril e maio. Esta periodicidade repete-se ano a ano, com pouco diferenciação. Os melhores períodos para se ver animais e aves são os de Vazante e de Seca. Não correndo riscos devido às águas, eles abandonam os pontos mais altos e espalham-se pelas planícies.

Na Enchente e na Cheia, torna-se difícil viajar pelo Pantanal. Caminhos ficam intransitáveis ou simplesmente desaparecem. O transporte de animais, pessoas e mercadorias só pode ser feito no lombo de animais de carga ou embarcações. Propriedades rurais e as povoações localizadas em áreas baixas, conhecidas como corrutelas, ficam totalmente isoladas dos centros de abastecimento e o acesso a elas, muitas vezes, fica restrito a barco ou avião.

 

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Transporte por balsa, única forma de veículos de carga ou de passeio cruzarem certas regiões do Pantanal durante os períodos de cheia

 

Pantanal: paraíso de aves, animais, peixes e répteis que, ao longo dos milênios, adaptaram-se à região

 

Nesse ir e vir de águas, e devido à variedade da vegetação, inúmeras espécies de animais, pássaros e peixes adaptaram-se a essa região de aspectos contraditórios. Uma riqueza de vida traduzida em cores, formas e sons, criando um dos mais belos espetáculos da Terra, e um dos destinos turísticos ligados à natureza mais procurados em todo o mundo. Só para se ter uma boa ideia, no Pantanal, já foram catalogadas mais de 1.100 espécies de borboletas.

Há 650 espécies de pássaros no Pantanal; no Brasil inteiro estão catalogados por volta de 1.800. O mais espetacular é a arara-azul-grande, espécie ameaçada de extinção. O tuiuiú é a ave símbolo do Pantanal. Há também beija-flores, com os menores chegando a apenas dois gramas de peso. Além destes três citados, encontram-se carcarás, colhereiros, curicacas, emas, garças-brancas, gaviões, jaçanãs, papagaios, periquitos, seriemas, socós e tucanos.

Contam-se mais de 124 espécies de mamíferos. A principal é a onça-pintada: atinge a 1,2 metro de comprimento e 0,85 centímetros de altura, pesando até 150 quilos. E, também, anta, ariranha, bicho-preguiça, bugio-do-pantanal, caititu, cachorro-do-mato, capivara, cervo-do-pantanal, lobinho, lobo-guará, macaco-prego, onça-parda, quati, queixada, tamanduá-bandeira, tatu, veado-campeiro, veado-catingueiro e alguns menos conhecidos.

A região é extremamente piscosa, já tendo sido identificadas 263 espécies de peixes: cachara, curimbatá, dourado, jaú, pacu, piau, pintado, piranha e piraputanga são algumas delas. Há uma infinidade de répteis. O principal é o jacaré, ou jacaré-do-pantanal, ou jacaré-coroa; cobra boca-de-sapo, ou jararaca; cobras-d’água; jiboia-constritora; lagartos: iguana e calango-verde; quelônios: cágado e jabuti; e sucuri, além de diversos outros.

 

Pequenos resumos sobre ave, animal, peixe e réptil considerados verdadeiros símbolos do Pantanal

 

Tuiuiú

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O belo Tuiuiú — em outros pontos do Brasil, também conhecido por cauauá, jabiru, jaburu, rei-dos-tuinins, tuim-de-papo-vermelho, tuiuguaçu, tuiupara ou tuiú-quarteleiro — passou a ser considerada a ave-símbolo do Pantanal. Isso porque é naquela região onde se concentra a maior parte das suas populações — assim como no vizinho Chaco Oriental, denominação sob a qual o Pantanal é conhecido na Bolívia e no Paraguai. Mas o Tuiuiú é um pássaro que pode ser encontrado desde o Norte do México, na América do Norte, até o Uruguai, no Sul da América do Sul. Pousado, em pé, impressiona pela altura e elegância. Em voo, alcança a envergadura — distância da ponta de uma asa até a ponta da outra — de quase três metros.

 

Onça-pintada

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Onça-pintada, no falar brasileiro, ou jaguar, no de Portugal, e também conhecida por onça-preta, é um mamífero carnívoro encontrada nas Américas. É o terceiro maior felino do mundo, após o tigre e o leão, e o maior do continente americano. Apesar da semelhança com o leopardo, é evolutivamente mais próxima ao leão. Ocorria desde o Sul dos Estados Unidos da América até o Norte da Argentina, mas está extinta em diversas partes dessa extensa área. Atualmente, é encontrada principalmente em ambientes de florestas tropicais, em terrenos abaixo dos 1.200 metros de altitude. Vive muito bem na região do Pantanal, por ser fortemente associada à presença de água e notável como felino que gosta de nadar.

 

Piraputanga

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Piraputanga, também chamada de matrinxã, é peixe que vive em cardumes e alimenta-se, principalmente, de flores, frutos e sementes; raramente, de pequenos crustáceos, insetos e peixes. Habita preferencialmente remansos à beira dos rios, embaixo de árvores frutíferas. Muito encontrado na Amazônia, Rio São Francisco, região do Pantanal e afluentes da Bacia do Rio Paraguai. Sua carne, muito apreciada em culinários devido a ser saborosa, quando cozida, possui cor avermelhada. Seu corpo alongado e fino pode atingir 50 centímetros de comprimento e três quilos de peso na fase adulta. A reprodução acontece no processo de piracema, com os cardumes subindo correntezas durante os meses de dezembro e janeiro.

 

Jacaré

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Jacaré é o réptil símbolo do Pantanal. Onipresente em todas as áreas daquela grande região, num passado recente era vítima de caçadores clandestinos, atrás do valor de sua pele. Salvou-o de desparecer o processo de criação em cativeiro, desvalorizando o preço do couro e colocando a carne ao acesso de todos, inclusive em supermercados. Adulto, seu tamanho varia de apenas 60 centímetros, o jacaré-anão, a 5,5 metros, o jacaré-açu, com o peso variando de três até 500 quilos. Devido à grande população hoje existente, é comum serem atropelados por veículos cruzando as estradas de acesso às fazendas em velocidade, principalmente na Rodovia Transpantaneira, com seus quase 200 quilômetros de extensão.

 

Ameaças ao Pantanal: desmatamento, mineração, caça ilegal, pecuária, pesca predatória, urbanização…

 

As principais atividades econômicas do Pantanal estão ligadas à criação de gado bovino, facilitada pelos pastos naturais e pela água levemente salgada da região, ideal para aqueles animais. Relativamente novo é o ecoturismo. Diversas pousadas pantaneiras oferecem esta modalidade de visitação sustentável. Existem estudos e pesquisas para adaptar, criar ou desenvolver tecnologias para a exploração sustentável dos recursos naturais ali abundantes.

Entre os problemas ambientais do Pantanal estão o desequilíbrio ecológico provocado pela pecuária extensiva; desmatamento para produção de carvão; garimpos de ouro e pedras preciosas, clandestinos ou não, gerando contaminação das águas por mercúrio e causando erosão e assoreamento; caça ilegal; pesca predatória; urbanização sem controle, lançando lixo e esgoto na natureza; e turismo descontrolado, ameaçando a tranquilidade dos animais.

A previsão de instalação de 116 Pequenas Centrais Hidrelétricas — PCH na parte Norte do Rio Paraguai, grande responsável pelas inundações periódicas do Pantanal, é uma ameaça à agricultura familiar, pecuária bovina, pesca artesanal e turismo pesqueiro. As barragens, além de interromper o fluxo de nutrientes carregados pelas águas, impedirão os peixes de subir os rios para a desova. Outra consequência imediata é o agravamento do assoreamento.

A partir da década de 1960 — e principalmente durante o período dos militares no Poder: 1964 a 1985 —, o Governo Federal lançou diversos programas de incentivo voltados ao desenvolvimento da Região Centro-Oeste, onde está o Estado do Mato Grosso. Todos baseados na implantação de projetos agropecuários, impuseram alterações nos biomas da Amazônia, Cerrado e Pantanal, afetando as características naturais de cada um deles.

Espera-se que, com o crescimento da consciência ambiental, este processo de degradação seja interrompido, ou minimizado. Afinal, um patrimônio construído pela natureza ao longo de milhões e milhões de anos não pode ser destruído de uma hora para outra por ações do homem. Se hoje sofrem animais, plantas, pássaros e peixes, não demorará muito para o ser humano também ser alcançado, colocando em risco sua existência sobre a face da Terra.

 

A seguir, um pouco da riqueza em aves, animais, peixes e répteis presentes o ano todo por todo o Pantanal

 

• Aves

 

Arara-azul-grande

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Arara-azul-grande — também conhecida simplesmente por arara-azul ou, ainda, por araraúna, araruna, arara-jacinto ou arara-preta — é uma ave muito bem adaptada às regiões do território do Brasil. Tanto é assim que vive em três dos principais biomas brasileiros: Amazônia, Cerrado e Pantanal. Está ameaçada de extinção, como as outras espécies de araras-azuis já extintas na natureza pela ação do homem. Possui uma plumagem azul, com uma pele nua, amarela, em torno dos olhos e fita da mesma cor na base da mandíbula. Seu bico é bem desmesurado, parecendo ser maior que o próprio crânio. Sua alimentação, enquanto vivendo livremente, consiste de sementes de palmeiras, especialmente o licuri.

 

Beija-flor

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Originário das Américas, o Beija-flor ocorre desde o Alasca, próximo ao Polo Norte, à Terra do Fogo, bem ao Sul. Mas a maioria das espécies é tropical e subtropical, vivendo nas faixas de maior calor. A maior biodiversidade do grupo é encontrada em apenas dois países sul-americanos: Brasil e Equador. Estas nações contam com cerca de metade das espécies conhecidas de Beija-flor. Em território brasileiro, espalham-se por todas as regiões. Sendo dotados de força considerável no bater das asas, além de velozes em voo, têm capacidades não vistas em outros pássaros: conseguem praticamente ficar parados no ar e também voar para trás, por exemplo, aproximando-se e afastando-se das flores das quais sugam o néctar.

 

Caracara

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Caracara é também conhecido como carancho, carcará ou gavião-caracará, espécie de ave pertencente à família dos falcões. No ar, sua envergadura chega a 1,23 metros; pousado, sua altura varia entre 50 e 60 centímetros. Habita o Centro e o Sul de toda a América do Sul. É facilmente reconhecível no chão, por ter uma espécie de solidéu preto sobre a cabeça, assim como um bico alto e recurvado, assemelhado à lâmina de um cutelo de açougueiro. A face é vermelha, sendo recoberto de preto na parte superior da cabeça. No peito, uma combinação de marrom claro com riscas pretas. Suas patas compridas são amarelas. Em voo, parece um urubu, diferenciando-se por exibir duas manchas de cor clara, bem na extremidade das asas.

 

Curicaca

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

No Sul do Brasil — Estado do Paraná, Estado do Rio Grande do Sul e Estado de Santa e Bela Catarina —, também é chamada de curucaca. Outras denominações bastante comuns são curicaca-comum, curicaca-de-pescoço-branco e despertador. A Curicaca é uma ave ocorre desde a Colômbia até a região da Terra do Fogo, ponto mais austral da América do Sul. Em nosso território, habita os biomas da Amazônia, Cerrado e Pantanal. Não é pássaro grande, medindo cerca de 70 centímetros de comprimento, e de 45 a 50 centímetros de altura, pousado. Tem bico é longo e curvo, pescoço e peito alaranjados ou esbranquiçados, dorso cinza-esverdeado e partes inferiores do corpo negras, além das pernas avermelhadas.

 

Ema

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Ema é a maior e a mais pesada ave do continente americano. Um macho adulto chega a ter 1,70 metros de comprimento, quando pousado, e pesar até 36 quilos. A envergadura, distância entre as pontas das asas, pode atingir os 1,50 metros. Apresentam plumagem do dorso acinzentada e marrom, com a parte inferior mais clara. O macho distingue-se por ter a base do pescoço, parte do peito e parte anterior do dorso negros. Possuem pernas fortes e pés providos de três dedos. Ao contrário das demais aves, há separação das fezes e da urina na cloaca, e os machos adultos possuem um grande pênis. Come folhas, frutos, insetos, moluscos, roedores, sementes, até pedrinhas, para facilitar a trituração dos alimentos.

 

Garça-branca

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Garça-branca, também conhecida como garça-branca-grande, é uma ave que pode ser encontrada em todo o território brasileiro. Em contraste à sua plumagem completamente branca, seus olhos exibem íris amarelas. Exibe bico fino e longo, em tonalidade amarelada e pernas e dedos negros. Mede, em média, 90 centímetros, quando pousada. Alimenta-se de pequenas presas aquáticas, peixes na maioria das vezes, capturados nas partes rasas de rios, lagoas e praias. Usa técnica muito especial para caçar, aproximando-se sorrateiramente do alvo, com o corpo abaixado e o pescoço recolhido. E ataca esticando rapidamente seu longo pescoço, perfurando com o bico, de um lado a outro, o que vai se transformar em alimento.

 

Gavião

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Gavião é o nome popular dado a várias espécies de aves pertencentes às famílias de falcões. Também são conhecidas como harpia, havendo até aqueles que as chamam de águia. Na comparação como outros pássaros de rapina, identificam-se pelo tamanho, sendo de médio e pequeno portes. São predadores, alimentando-se apenas do resultado de suas caçadas. Dotadas de asas curtas, são bem adaptadas a ataques em espaços diminutos, fechados. Têm uma presença bastante vasta, em todos os continentes, inclusive no Polo Norte, mas com exceção da Antártida. Vivem em casais, fiéis um ao outro a vida toda. Fazem ninhos em locais elevados, dando melhor proteção aos filhotes enquanto partem em busca de comida.

 

Jaçanã

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Também são conhecidas como aguapeaçoca, cafezinho, casaca-de-couro, ferrão, japiaçó, japiaçoca, marrequinha, menininho-do-banhado, nhaçanã, nhançanã, nhanjaçanã, piaçó, piaçoca e pia-sol. O Jaçanã é uma ave que habita desde a América Central e toda a América do Sul. Por ter enorme adaptabilidade aos meios em que vivem, é muito encontrada em parques públicos. Medem cerca de 23 centímetros de comprimento, quando pousadas. Possuem uma plumagem negra, sobreposta por um manto castanho. O bico amarelo tem um escudo frontal vermelho, mesma cor de afiados esporões no dorso das patas. Pernas longas e pés com três dedos longos e abertos, bem adaptados à locomoção sobre plantas aquáticas.

 

Papagaio

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Papagaio é denominação comum a aves de plumagem verde e variações de cores na cabeça, bochechas e testa. Também conhecidos por ajeru, ajuru, ajurujuru, jeru, juru, loiro e louro, o Brasil tem o maior número destas espécies, compostas por também por araras, jandaias, maracanãs, papagaios e periquitos. São tantos que, no descobrimento do País, portugueses o apelidaram como “Terra dos Papagaios”. Espécies monogâmicas, têm apenas um parceiro até à morte. Reproduzem, em geral, apenas um filhote por vez. Como este permanece com os pais por muito tempo, são vistos, na maioria das vezes, em trios. Algumas espécies têm capacidade de memorizar sons ouvidos, conseguindo reproduzir palavras com perfeição.

 

Seriema

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Seriema, ou siriema, é ave de médio porte, medindo por volta de 30 centímetros quando pousada, e considerada quase terrestre, preferindo correr a voar. Grupo nativo da América do Sul, habita zonas de pradaria ou florestas abertas. Alimentam-se de insetos, lagartos e pequenas cobras, além de algumas frutas, como os cajus do Cerrado. Em contato com os humanos, mostram-se desconfiadas. Sentindo-se ameaçadas, abrem as asas para enfrentar os inimigos. Seriemas são o parente vivo mais próximo das extintas “Aves do Terror”, carnívoras, pré-históricas, vivendo entre 24 milhões a cerca de 2 milhões de anos atrás, nas Américas. Conta a lenda que o canto deste pássaro indica o final da época das chuvas.

 

Tucano

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Tucanos vivem em florestas da América Central e da América do Sul. Distinguem-se por ter bico grande o oco, com a parte superior constituída por elementos de sustentação e a inferior de natureza óssea. Apesar de imponente, devido a ser muito comprido em relação ao corpo da ave, é um bico fraco. A ação de alavanca, proporcionada pelo maxilar, não é suficiente para lhe conferir força. Por ter sistema digestivo extremamente curto, adaptou-se a uma base alimentar essencialmente de frutas, facilmente digeridas e absorvidas. Os mais comuns são aqueles de bico preto, bico vermelho e peito branco — este também é o maior de todos os tipos, alcançando entre 55 e 60 centímetros de comprimento quando pousado.

 

 

• Animais

 

Anta

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Anta-brasileira, ou simplesmente anta, também conhecida por tapir, ocorre desde o Sul da Venezuela até o Norte da Argentina. É o maior mamífero terrestre do Brasil e o segundo da América do Sul, alcançando até 2,5 metros de comprimento e 300 quilos de peso. Vive de modo solitário, próxima a cursos d’água, em áreas abertas não muito extensas, ocupando um território com cerca de cinco quilômetros quadrados. Apresenta reprodução lenta, com gestação superior a 400 dias, gerando um filhote por vez, e alcançam até 35 anos de idade. Sua dieta apenas de frutas transformou-a em disseminadora de sementes, principalmente de palmeiras. Além do homem, seus principais predadores são a onça-pintada e a onça-parda.

 

Ariranha

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Ariranha — também cachorro-do-rio, lobo-do-rio, lontra-gigante ou onça-d’água — é um mamífero característico da América do Sul, encontrado desde a Colômbia e Venezuela até o Norte da Argentina. No Brasil, tem presença muito forte tanto no Pantanal quanto por toda a Bacia do Rio Amazonas. Carnívora, semiaquática e de hábitos diurnos, alcança até um de comprimento e 20 quilos de peso, quando adultas. Com o corpo marrom, garganta manchada de creme e cauda achatada em forma de remo, vivem em bandos e alimentam-se basicamente de caranguejos, mamíferos de pequeno porte, ovos, pássaros, peixes e répteis. Está ameaçada de extinção pela contaminação de rios por mercúrio utilizado em mineração.

 

Bicho-preguiça

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Bicho-preguiça, ou simplesmente preguiça, é mamífero também conhecido por aíguel, ou cabeluda. A denominação vem do metabolismo muito lerdo, responsável pelos movimentos extremamente lentos. Animal de pelos longos, vive na copa de árvores de florestas tropicais desde a América Central até o Norte da Argentina. Na Mata Atlântica, alimenta-se de frutos da Embaúba, conhecida como “Árvore-da-preguiça”. Dedos com garras longas permitem ficar pendurados anos galhos das árvores com o dorso para baixo, descendo ao chão apenas uma vez por semana, apenas para as necessidades fisiológicas. De hábitos solitários, dorme por volta de 14 horas por dia. Na reprodução, gera apenas um filhote, cuidado pela fêmea.

 

Bugio-do-pantanal

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Bugio-do-pantanal, também conhecido como bugio-preto, é uma espécie de primata de florestas tropicais e savanas do Centro e Sudoeste do Brasil, Nordeste da Argentina, Leste da Bolívia e Paraguai e, provavelmente, extremo Noroeste do Uruguai. Espécie com maior área de distribuição geográfica dentro do território brasileiro, é típico dos biomas Cerrado e Pantanal, sendo encontrado ainda em remanescentes de florestas de Mata Atlântica e até nos Pampas gaúchos. O macho adulto é preto; jovens e fêmeas, castanho-amarelados. Sua alimentação é basicamente de folhas e frutos, podendo também ingerir ovos de pequenas aves. De porte médio, alcançam até 50 centímetros de comprimento e sete quilos de peso.

 

Cachorro-do-mato

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Cachorro-do-mato é um mamífero também conhecido pelos nomes de aguaraxaim, cachorro-do-mato, graxaim, graxaim-do-mato e lobinho. Amplamente distribuído pela América do Sul, vive em florestas, cerrados e campos, além de espaços alterados pela ação do homem. Tem hábitos notívagos e solitários, só procurando companhia nos momentos de reprodução. Sua dieta é bem variada, incluindo frutas, insetos, ovos, pequenos mamíferos, répteis e restos de animais mortos, geralmente vítimas de atropelamentos. Alcança cerca de 65 centímetros de comprimento e oito quilos de peso, quando adulto. Apresenta pelagem cinza-claro de base amarelada e faixa dorsal negra estendendo-se da nuca à ponta da cauda.

 

Caititu

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Caititu é um mamífero muito semelhante ao javali, sendo também conhecido por caitatu, catete, cateto, patira, pecari, porco-do-mato, taititu ou tateto. Com hábitos diurnos, vive em florestas, sendo um animal do Novo Mundo, encontrado desde o Sul dos Estados Unidos da América até o Norte da Argentina. Quando adulto, chega a 90 centímetros de comprimento, apresentando pelagem cinza-escura com faixa branca no pescoço, em forma de colar. Uma de suas características mais curiosas é ter estômago compartimentalizado em quatro partes, permitindo ingerir itens diversos: alimentos fibrosos, frutos variados, legumes diversos e pequenos vertebrados. Percebendo-se ameaçado, revida com ataques de grande ferocidade.

 

Capivara

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Capivara, também chamada de beque, caixa, cachapu, capincho, carpincho, cunum, cubu porco-capivara ou trombudo, é o maior roedor do mundo: alcança 90 quilos, 1,2 metros de comprimento e 60 centímetros de altura, quando adulta. Ocorre por toda a América Central e América do Sul, a Leste da Cordilheira dos Andes, em locais associados a lagos, pântanos e rios, do nível do mar até 1.300 metros de altitude. Adapta-se bem em ambientes altamente alterados pelo homem. Tem pelagem densa, de cor avermelhada a marrom escuro, dentes incisivos de até sete centímetros de comprimento. Alimenta-se de capim, ervas e vegetação encontrados à beira d’água. A fêmea costuma gerar de dois a oito filhotes a cada gestação.

 

Cervo-do-pantanal

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Cervo-do-pantanal, também chamado simplesmente cervo ou guaçupuçu, suaçuapara, suaçuetê ou suaçupu, é um mamífero ruminante. Ocorria em grande parte das várzeas e margens de rios do Centro da América do Sul, desde o Sul do Rio Amazonas até o Norte da Argentina. Atualmente, a espécie só é comum no Pantanal, na Bacia do Rio Guaporé, na Ilha do Bananal e em Esteros del Iberá, região de alagados no Centro-Norte da Argentina. Maior cervídeo sul-americano, chega a 125 quilos de peso e 1,30 centímetros de altura. Os machos, pouco maiores que as fêmeas, possuem chifres ramificados. Os cascos, longos, podem se abrir em até 10 centímetros, adaptação ao deslocamento em ambientes inundados.

 

Logo-guará

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Lobo-guará é um cão selvagem, endêmico da América do Sul. Ocorria em savanas e áreas abertas na Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai, sendo típico do Cerrado. Praticamente extinto na maior parte daqueles territórios, ainda não sumiu por completo no Uruguai e no Pantanal. Pode atingir até 30 quilos de peso e 90 centímetros de altura das patas à base do pescoço. Pernas longas e finas e densa pelagem avermelhada lhe conferem aparência inconfundível. Solitário, só forma casal no período de cio da fêmea, dividindo territórios com área de até 125 quilômetros quadrados, delimitados com pelo odor de urina. A gestação de até 65 dias gera filhotes com pelagem preta e cerca de 400 gramas de peso.

 

Macaco-prego

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Macaco-prego, mico-de-topete, mico ou simplesmente prego são denominações comuns dos mais comuns primatas da América do Sul. Ocorrem desde as regiões amazônicas e por todo o Brasil, até o Norte da Argentina e o Sul do Paraguai. Muito adaptáveis, vivem em qualquer ambiente e vegetação, do nível do mar até 2.700 metros de altitude: Caatinga, florestas úmidas, Mata Atlântica, Pantanal, savanas, semiárido… Muito hábil e inteligente, abre frutas de casca dura com pedras e pedaços de pau e facilmente aprende truques. Tem hábitos estritamente diurnos. Vive em grupos de cinco a 40 indivíduos, comandados pelo macho maior e mais velho. Sua cauda enorme não é pênsil, ficando enrolada para cima.

 

Onça-parda

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Onça-parda, no falar brasileiro, ou puma, no de Portugal, também conhecida no Brasil por suçuarana, mamífero terrestre e carnívoro nativo das Américas de maior distribuição geográfica do Ocidente, ocorre desde a Colúmbia Britânica, no Canadá, até o extremo Sul do Chile. Habita desde florestas densas até áreas desérticas, vivendo bem tanto em áreas quentes como aquelas mais frias. E é capaz de sobreviver em áreas extremamente alteradas pelo homem, como pastagens e cultivos agrícolas. Chega a alcançar mais de 1,50 metros de comprimento, sem a cauda, e pesar 70 quilos. Sua coloração varia do cinzento ao marrom um tanto avermelhado, ponta da cauda preta e áreas laterais de focinho e ventre brancas.

 

Quati

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Quati é um mamífero aparentado do guaxinim, com nariz mais comprido e perfil mais alongado. Está distribuído desde o Estado do Arizona, no Centro-Oeste dos Estados Unidos da América, até o Norte da Argentina As patas lembram, remotamente, as dos ursos, sendo muito úteis para escaladas em árvores. Normalmente, é cinzento e amarelado, mas há quase pretos e outros bastante avermelhados. O focinho e pés são sempre pretos. Sua cauda atinge mais de 50 centímetros, com sete a oito anéis pretos, sendo bem grande para um corpo que mal passa dos 70. Vivem em bandos de quatro a 20 indivíduos, alimentando-se de matérias de origem animal ou vegetal. Animais diurnos, às vezes os machos têm atividades noturnas.

 

Queixada

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Queixada, também conhecido como canela-ruiva, miguel, porco-do-mato, pecari, queixada-ruiva, queixo-ruivo, sabacu, sabucu, tacuité, taiaçu, taguicati, tajaçu, tanhaçu, tanhocati e tiririca, é um mamífero cuja denominação popular vem do costume de bater fortemente o queixo quando acuado. De hábitos diurnos e terrestres, é encontrado desde o Sul do México, na América do Norte, até o Nordeste da Argentina, na América do Sul. Chega a um metro de comprimento e 40 quilos de peso, tendo pelagem negra no corpo e branca próxima ao queixo. Vive em bandos de até centenas de indivíduos, tendo uma dieta bem variada, alimentando-se de brotos de plantas, frutas, raízes e até de pequenos animais.

 

Tamanduá-bandeira

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Tamanduá-bandeira, também conhecido por iurumi, jurumim, papa-formigas-gigante, tamanduá-açu, tamanduá-cavalo e urso-formigueiro-gigante, é um mamífero encontrado na América Central e na América do Sul, principalmente em florestas e savanas. Tem hábitos predominantemente terrestres, diferenciando-se de parentes próximos, o tamanduá-mirim e o tamanduaí, que vivem em árvores. É capaz de nadar em alagados, lagos e rios. Mede até dois metros de comprimento e pesa até 41 quilos, quando adulto. Além do focinho longo, possui garras nos dedos das patas anteriores. Tendo a boca adaptada à sua dieta de cupins e formigas, em cativeiro pode ser alimentado com carne moída, ovos e ração, por exemplo.

 

Tatu

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Tatu, ou armadilho, em Portugal, é denominação comum a mamíferos caracterizados pela armadura cobrindo o corpo. Nativos do continente americano, habitam Caatinga, Cerrado, florestas molhadas, matas ciliares e savanas. Têm grande importância ecológica, pois, ao alimentarem-se de insetos, contribuem para equilibrar populações de cupins e formigas. Caçados, quebram o equilíbrio do ecossistema, pois se extermina um controlador natural. Comem também outros insetos e suas larvas, além de pequenos invertebrados, frutos, raízes e vegetais. São encontrados desde o Sul dos Estados Unidos da América até à Argentina. Vivem em buracos cavados no solo, onde, por algumas vezes, habitam dois ou mais deles.

 

Veado-campeiro

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Veado-campeiro, ou veado-branco, veado-galheiro, suaçutinga e suaçuapara, é animal campestre, encontrado em grande parte da América do Sul, ao Sul da Amazônia. No Brasil, está presente nas regiões Sul e Centro-Oeste, em especial no Pantanal. Adultos, medem por volta de um metro de comprimento, com pelo marrom; barriga, contorno da boca e círculo ao redor dos olhos são brancos. Machos desenvolvem galhadas de até três pontas, chegando estas a 30 centímetros de altura. Alimentam-se de alguns tipos de capim, comendo também alecrim-do-campo e assa-peixe. Muito rápidos, chegam a correr a 70 quilômetros por hora. Cruzam pequenos cursos d’água com saltos, mas atravessam nadando os rios mais largos.

 

Veado-catingueiro

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Veado-catingueiro, também guaçubirá, guaçucatinga, guaçutinga, veado-virá, virá e virote, é um cervídeo sul-americano de pequeno porte. Ocorre do Sul da Amazônia ao Uruguai e região central da Argentina, desde o leste da Cordilheira dos Andes até o litoral brasileiro. Vive em campos abertos, cerrados e pequenas matas. Alimenta-se de brotos, flores e frutos. Com alta adaptabilidade, consegue viver em áreas bastante modificadas pelo homem, como canaviais e plantios de Eucalipto ou Pinus. Tanto a fêmea quanto o macho marcam território, retirando cascas de árvores com os dentes incisivos inferiores, fezes e urina. Havendo disponibilidade de alimentos, reproduzem-se em qualquer época do ano.

 

• Peixes

 

Curimbatá

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Curimbatá — ou curibatá, curimatá, curimatã, curimataú, curimba, curumbatá, crumatá, grumatá, grumatã e papa-terra —, é um peixe encontrado em todo o território brasileiro. Alimenta-se de vegetais e lodo, podendo ser aproveitado na criação em cativeiro. Muito apreciado na pesca esportiva por sua força e capacidade de luta após fisgado. Migra com fins reprodutivos, em sincronia com o aumento do nível das águas na época das enchentes. Na água, as fêmeas liberam ovos e os machos, esperma em grandes quantidades. Os óvulos são fecundados e, assim que as larvas eclodem, são levadas pela correnteza até as planícies alagadas, como o Pantanal, onde encontram grande fartura de algas e lama, seus alimentos.

 

Dourado

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Dourado, conhecido também como doirado, piraju, pirajuba e saijé, é um peixe dos rios do Brasil e outros países da América do Sul. Ocorre na Bacia do Rio da Prata, entre a Argentina e o Uruguai; na Bacia do Rio Magdalena, na Colômbia: e nos rios da Bacia Amazônica no Peru. A denominação vem da sua cor dourada, tendente ao vermelho. Pode crescer até 1,5 metros de comprimento e alcançar 25 quilos de peso, quando adulto. Habita rios com corredeiras, importantes na piracema do seu rito de procriação, mas vive também em margens de barrancos e canais. Carnívoro, agressivo e canibal, alimenta-se de pequenos peixes e até de pequenas aves, mas sua dieta preferida resume-se a lambaris, piaus e tuvirás.

 

Jaú

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Jaú, também conhecido como jundiá, jundiá-da-lagoa, manguriú e manguruiú, é dos maiores peixes brasileiros de água doce, habitando as bacias do Rio Amazonas e do Rio Paraná. Pode alcançar até dois metros de comprimento e 120 quilos de peso, quando adulto. Quando fisgado, é capaz de arrastar um barco por quilômetros. O corpo é grosso e curto; a cabeça, grande e achatada. Vive na parte central dos rios e em poços das cachoeiras. Na Amazônia, não é importante comercialmente, taxado de ter cheiro desagradável e gosto amargo. É apreciado no Sudeste do Brasil e no exterior, com a pressão de pesca feita pelos frigoríficos exportadores de filé sendo a responsável pela queda acentuada das populações.

 

Pacu

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

Pacu é nome dado a vários peixes típicos do Pantanal, rios amazônicos, rios da Bacia do Rio da Prata, Rio Paraná e Rio Paraguai. Alimenta-se de caranguejos, frutos e material orgânico encontrado na água. Chega a atingir 70 centímetros de comprimento e 25 quilos de peso, quando adulto. Faz longas migrações, a piracema, para a procriação. Vem sendo reproduzido em laboratório para ser utilizado no repovoamento das águas de represas. Sua coloração é cinza-escura, no dorso, e amarelo-dourada, no ventre, podendo variar devido ao ambiente. Tem corpo comprimido, alto e em forma de disco, apresentando quilha com espinhos, cujo número pode variar de seis a 70. É muito pescado por sua carne saborosa.

 

Piranha

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Piranha é um peixe carnívoro de água doce, habitando diversos rios da América do Sul, principalmente na região da Amazônia, Argentina, Guiana, Pantanal e Venezuela. Com as mandíbulas fortíssimas e dentes extremamente afiados, dispostos como serra, rápida, voraz e predadora, só ataca estimulada para isso, atraídas por vibrações e presença de sangue na água. Alimenta-se de carcaças deixadas por animais maiores, como a ariranha, crustáceos, filhotes de répteis, moluscos, outros pequenos peixes e qualquer ser vivo que, porventura, caiam próximo de onde vivem. Como todo predador, serve ao equilíbrio ecológico, atuando na limpeza do meio ambiente, devorando restos que, de outra forma, apodreceriam nos rios.

 

• Répteis

 

Cágado

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Cágado, também muito conhecido como cágado-cabeçudo, tartaruga-pescoço-de-cobra, tartaruga-tigre, tartaruga-tigre-d’água e tartaruga-verde-e-amarela, é um réptil encontrado na Argentina, Brasil e Uruguai. Vive bem próximo à água doce: açudes, banhados, lagos, represas, riachos, rios e pântanos. Em sua maior parte, são carnívoros, alimentando-se de anfíbios, crustáceos, insetos, moluscos, pequenos peixes e vermes; uns poucos acrescentam a esse cardápio os vegetais. Chegam a, no máximo, 35 centímetros de comprimento, na fase adulta. A carapaça tem forma achatada e cor escura e seu corpo é adaptado para nadar, com membranas entre os dedos. Usam a água como recurso de fuga quando ameaçado em terra.

 

Calango-verde

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Calango-verde, também conhecido como bico-doce, cameleão-ferro ou jacaripinima, é um pequeno lagarto encontrado do Panamá, na América Central, ao Norte da Argentina, na América do Sul, mas sempre a Leste da Cordilheira dos Andes. Adulto, chega a alcançar 30 centímetros de comprimento, considerando sua longa cauda. Apresentam coloração verde com manchas brancas nos flancos. Vivem em áreas ermas, nas quais encontra-se madeira ou rochas, usadas para se camuflarem ou tomar Sol. Alimentam-se de vegetais, baratas, besouros, gafanhotos, grilos, insetos e pequenos invertebrados. Ameaçados, procuram se esconder em fendas ou buracos; capturados, ficam imóveis, como se estivessem mortos.

 

Iguana

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Iguana, conhecida como camaleão, iguana-das caraíbas, iguana-marinha, iguana-verde ou iguano, é um réptil que ocorre muito nas regiões tropicais da América Central, América do Sul e Caribe. Vive em árvores, tendo grande facilidade para andar, descer e subir pelos troncos. Na fase adulta, pode atingir 180 centímetros de comprimento, medindo da ponta da cabeça ao final da cauda. E esta chega a dois terços do tamanho total do corpo. Com pouca idade, exibem coloração verde intensa; mais velhos, apresentam listras escuras. Sua dieta vai de folhas, flores, frutos e vegetais e insetos, lesmas e pequenos roedores. Possui visão excelente, enxergar a grandes distâncias. Comunica-se com suas iguais por sinais visuais.

 

Jabuti

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

O Jabuti, também jabuti-piranga e jabuti-tinga, é réptil pré-histórico, quieto, dócil, rústico e resistente. Somam mais de 40 espécies em todo o mundo, levando a vida com muito vagar. Todas as suas tarefas são demoradas: cortar um pedaço de comida pode levar bom tempo. Provavelmente, é o mais lento entre os vertebrados. Possui pernas grossas, adaptadas à vida terrestre e casco convexo: carapaça arqueada, uma estrutura óssea formada pelas vértebras do tórax e costelas. Ao perceber aproximação de predador, põe cabeça, cauda e patas para dentro dela, ficando inerte, como morto. Pode chegar aos 70 centímetros de comprimento, 40 quilos de peso e vive bastante tempo, em média 80 anos; alguns alcançam os 100 anos.

 

Jararaca

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Jararaca é uma serpente peçonhenta, venenosa, encontrada na América Central e na América do Sul, notadamente Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai. Bastante perigosa devido à alta mortalidade do veneno que injeta nas vítimas, é também conhecida como boca-de-sapo, bocuda, jararaca-cruzeira, jararaca-do-rabo-branco, jararaca-pintada, jararaquinha, rabo-de-osso, tirapeia e urutu. Adulta, alcança comprimento superior a um metro e coloração variável entre cinza, marrom ou pardo, manchas triangulares escuras margeadas de claro. Nos indivíduos jovens, a ponta da cauda branca. A cabeça triangular, em forma de ponta de lança, e a cauda afilada, sem guizos, também são chamam a atenção.

 

Jiboia-constritora

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A Jiboia-constritora, ou simplesmente jiboia, é uma serpente encontrada desde o México, na América do Norte, ao Norte da Argentina, na América do Sul. No Brasil é a segunda maior cobra — a maior é a Sucuri — e adaptou-se a diversos habitats: Cerrado, Caatinga, Floresta Amazônica, manguezais, Mata Atlântica, Pantanal e restingas. Pode chegar a um tamanho adulto de dois a quatro metros de comprimento. Basicamente de hábitos noturnos, verificável por possuir olhos com pupila vertical, apresenta algumas atividades diurnas. Sua alimentação constitui-se de aves, mamíferos e répteis, mortos por constrição: enrola-se na vítima e aperta até esmagá-la, quebrando todos os ossos, para depois engolir todo o corpo.

 

Sucuri

Pantanal é destino turístico de natureza dos mais procurados em todo o mundo

A sucuri, também conhecida como anaconda, arigboia, boiaçu, boiçu, boiguaçu, boioçu, boitiapoia, boiuçu, boiuna, sucuriju, sucurijuba, sucuriú, sucuruju, sucurujuba e viborão, é uma cobra sul-americana com fama de enorme e muito perigosa. Maior serpente do mundo, pode viver até 30 anos. Há muitas narrativas sobre ataques destas serpentes a humanos, na sua maioria casos fictícios, principalmente no que diz respeito ao tamanho real do réptil. Muitos até juram terem sido atacados por espécies com mais de 10 metros de comprimento. A maior de que se tem registro por uma fonte confiável media 11 metros e 65 centímetros, tendo sido encontrada pelo marechal Cândido Rondon, no início do século XX, anos 1900.

 


 

Matéria desenvolvida a partir dos seguintes investimentos do Governo do Estado do Mato Grosso:

• Participação no fampress de jornalistas brasileiros e estrangeiros, dias 16 a 19 de abril de 2016, pelos seguintes destinos do Estado do Mato Grosso: Município de Cáceres, Município de Chapada dos Guimarães, Município de Campo Novo dos Parecis, Município de Cuiabá,Município de Jaciara e Município de Nobres; e,

• Acompanhamento da Feira Internacional de Turismo do Pantanal — FIT Pantanal 2016, dias 20 a 24 de abril, no Centro de Eventos do Pantanal, na cidade de Cuiabá, capital do Estado.