Cidade ocupa região habitada por homens pré-históricos. Dificuldades da colonização foram vencidas com esforço e paciência. Isolamento inicial dá lugar a polo privilegiado em logística. Turismo desponta como novo impulsionador da economia, devido aos seus atrativos de natureza.

 

Município de Jaciara: turismo de aventura, ecologia, eventos, esportes e negócios

 

Município de Jaciara: história de milênios

 

Município de Jaciara: de empreendimento colonizador a cidade pujante em 50 anos

Os primeiros habitantes da região onde se encontra hoje o Município de Jaciara foram homens pré-históricos. Pinturas rupestres descobertas em cavernas, recentemente, no ano de 1984, mostram presença destes seres por lá há 10 mil anos antes da era cristã

 

Município de Jaciara: 145 da capital do Estado de Mato Grosso

 

O Município de Jaciara fica localizado 145 quilômetros a Sudeste da Cidade Verde de Cuiabá, capital do Estado de Mato Grosso. Considerado como principal polo urbano da Região do Vale do Rio São Lourenço, está numa altitude média de 370 metros acima do nível do mar. O relevo exuberante apresenta 65% de áreas consideradas planas e 30% de levemente onduladas. Nestas, registram-se a presença de pequenas serras e cavernas.

Aquela extensa região já era habitada há milênios, conforme provam várias inscrições rupestres encontradas em grutas pelo Vale das Perdidas. A presença dos homens pré-históricos é comprovada por pinturas nas paredes de pedras e cavernas, retratando cenas do cotidiano. Com pelo menos cinco mil anos de existência, são painéis reveladores dos tempos finais da Era Paleolítica, de 2,5 milhões a cerca de 10 mil anos antes de Cristo.

Descobertas não faz muito tempo, em 1984, pelo casal de arqueólogos Agueda Vilhena Vialou e Denis Vialou, ambos franceses, são testemunhas da história do Brasil anterior à chegada dos europeus. Mostram crianças, mulheres e homens — estes, sempre com falo grande, sinal do poder masculino naquelas organizações sociais. Há cenas de sexo grupal e de rituais religiosos, e representações de animais não reconhecidos pela ciência.

 

Município de Jaciara: de empreendimento colonizador a cidade pujante em 50 anos

Mais recentemente, o território hoje definido como o Município de Jaciara foi o lar dos índios bororós. Os restos de uma aldeia daqueles nativos foram descobertas no final do século XIX, anos 1800, por um grupo de presbiterianos que lá instalou sua comunidade

 

Município de Jaciara: lar dos nativos bororós

 

Nada se conhece sobre o período que vai de 10 mil antes de Cristo até o final do século XIX, os anos 1800, mesmo sabendo-se que os bandeirantes paulistas devem ter cruzado sobre aquelas terras, no avanço para Oeste, em busca de ouro, prata, pedras preciosas e nativos para escravizar. Vestígios mais recentes mostram a ocupação por índios bororós. São de uma antiga aldeia, encontrada pelos primeiros colonizadores, chegados em 1877.

Foram os irmãos Limírio Eneias de Moura, Luiz França de Moura, Manoel de Moura — com sua esposa, Elvidelina Malhado de Moura — e Osório Irineu de Moraes. Fundando a comunidade de Brilhante, ergueram a primeira Igreja Presbiteriana do Estado de Mato Grosso, no tempo do Império, quando a Nação tinha religião oficial: o Catolicismo. Isso aconteceu logo após o final da Guerra de Tríplice Aliança, ou da Guerra do Paraguai.

O conflito chamou atenção do Governo Central na então capital do Rio de Janeiro para a necessidade de transferir populações e ocupar as fronteiras do Brasil com a América Espanhola. Mesmo assim, esse foi um processo desordenado e lento, sem capacidade de realmente transformar a região. Veio então a Proclamação de República, o País entrou no século XX e aquela situação só começou a se modificar no meio da década de 1940.

 

Município de Jaciara: de empreendimento colonizador a cidade pujante em 50 anos

Arnaldo Estevão de Figueiredo e João Ponce de Arruda, dois governadores do Estado do Mato Grosso que tiveram atuações fundamentais para o surgimento da Cidade de Jaciara. O primeiro vendeu as terras; o segundo sancionou a Lei criando o Município

 

Município de Jaciara: terra de oportunidades

 

Corria o ano de 1944 quando Milton da Costa Ferreira, jovem representante comercial, fez sua primeira visita ao Estado de Mato Grosso. Ele vendia equipamentos diversos, mas o grande sucesso eram as máquinas de costura. Afinal, naqueles tempos, as roupas de uso diário, e mesmo aquelas reservadas para eventos e festas, em sua grande maioria, eram produzidas em casa, por costureiras habilidosas. Umas poucas, pelos alfaiates.

Milton da Costa Ferreira, cruzando rios imensos, trilhas longas, picadas extensas e áreas virgens, vislumbrou que o Estado de Mato Grosso era uma terra de oportunidades para se fazer riqueza. Retornando à sua casa, no Estado de São Paulo, conversou com o pai, Antônio Ferreira Sobrinho, e o irmão mais velho, Paulo da Costa Ferreira, dono de um Cartório, sobre possíveis negócios a serem realizados em local ávido por investimentos.

Retornando à Cidade Verde de Cuiabá em 1945, tomou conhecimento de um anúncio do Governo oferecendo áreas com proposta de venda de 10 mil hectares por pessoa. Voltando para o Sul com a publicidade em mãos, convenceu seus familiares a investir em terras para implantar uma colonização. Após vários estudos e troca de informações, optaram pela Região do Vale do Rio São Lourenço e buscaram concretizar o negócio.

 

Município de Jaciara: de empreendimento colonizador a cidade pujante em 50 anos

Paisagens como essa fizeram com que Milton da Costa Ferreira, jovem representante comercial de máquinas de costura, antevisse no Sul do Estado de Mato Grosso uma terra de oportunidades, local ideal para se transformar os sonhos em riquezas reais

 

Município de Jaciara: companhia colonizadora

 

Era meados de 1947 quando Antônio Ferreira Sobrinho, Coriolano de Assunção, Joana da Costa Ferreira, Milton da Costa Ferreira, Navarro da Costa Ferreira, Osvaldo da Costa Ferreira e Paulo da Costa Ferreira tornaram-se sócios da Colonizadora Industrial, Pastoril e Agrícola — Cipa. Em contato com o governador do Estado de Mato Grosso, Arnaldo Estevão de Figueiredo, viraram donos de 70 mil hectares de verdadeiro paraíso.

De tão isolado, o melhor acesso para o local era por avião. E foi voando que a primeira equipe de profissionais da Cipa chegou, para construir a sede administrativa e demarcar as áreas a serem vendidas. Trabalho concluído, o patriarca da família, Antônio Ferreira Sobrinho, com larga experiência na administração de fazendas e no comércio, muda para lá. Com ele, vieram os filhos Osvaldo da Costa Ferreira e Paulo da Costa Ferreira.

Em 1949, chegam os primeiros colonos e as primeiras lavouras são plantadas. Balizou-se uma trilha criada por boiadeiros para se alcançar a Cidade Verde de Cuiabá por terra, numa viagem de sete dias. Quem adoecia tinha de torcer para chegar vivo aos hospitais da capital. Os resultados das primeiras colheitas foram transportados pela mesma rota, sempre com muitos transtornos. A Cipa teve de investir para aprimorar aquele caminho.

 

Município de Jaciara: de empreendimento colonizador a cidade pujante em 50 anos

A primeira grande riqueza do Município de Jaciara foi a mandioca. O produto, para ser vendido na Cidade Verde de Cuiabá, era transportado em viagem que, na melhor das hipóteses, durava sete dias, vencendo obstáculos difíceis de serem descritos hoje em dia

 

Município de Jaciara: origem da Mandioca da Cipa

 

Foram ampliadas as larguras das picadas, feitos aterros em trechos alagáveis, abertos desvios contornando partes apresentando maiores dificuldades para serem vencidas e, principalmente, construídas diversas pontes, todas em madeira. Assim, aos poucos, o tempo da viagem entre a sede da empresa e a Cidade Verde de Cuiabá foi reduzindo-se. Afinal, lá se fazia a venda da única produção local, a já famosa “Mandioca da Cipa”.

Com mais facilidade de circulação, novos colonos começam a aparecer. Gente com temperamento forte e vontade inquebrantável. Assim, vieram Bruno José de França, Elias Degaspery, Irineu de Oliveira e Nícola Radica, sempre acompanhados de muitos parentes. Outros pioneiros são Adolfo Menezes, Coreolano de Assunção e Rodolfo Boell, casado com Dulce Dacol e que, mais tarde, torna-se o primeiro tabelião local.

Chegaram também Eugênio Sacaramal, João Radica, Leopoldo Francisco Sonsin, Paulo Leal, Pedro Galdino e Rodes Roldão Rodrigo, passando a viver com suas famílias no que era a terra de novas oportunidades para todos. O rápido crescimento da população leva a que, em 1950, surja o primeiro colégio para crianças, batizado de São Francisco de Assis, depois protetor e padroeiro da cidade cujo projeto de urbanização fica pronto.

 

Município de Jaciara: de empreendimento colonizador a cidade pujante em 50 anos

Como todas as áreas urbanas planejadas no Brasil durante o final do século XIX, anos 1800, e por todo o século XX, anos 1900, a Cidade de Jaciara surgiu de projeto no qual os logradouros obedeciam a um desenho de linhas arrumadas, geralmente em paralelo

 

Município de Jaciara: ruas abertas a foice e machado

 

As plantas traziam os desenhos das avenidas, ruas, praças e outros logradouros a serem construídas no local conhecido como Cabeceira do Olho de Boi, ou Fundão, próximo de uma das margens do Rio Brilhante. A primeira rua é aberta com foices e machados; depois, aplainada à base de enxadas. Batizada como Avenida Tamoyos, atualmente é a Avenida Antônio Ferreira Sobrinho, em homenagem ao fundador da Cidade de Jaciara.

Nem bem a via estava transitável e começam as obras da primeira casa de alvenaria do novo núcleo populacional. Seu proprietário: Mariano José Delmondes. Com a porteira aberta, outras se seguem, num ritmo surpreendente. Mal as ruas ficavam prontas e mais e mais residências eram erguidas. Logo vieram os primeiros estabelecimentos voltados a comércio e serviços: armazém, bar, farmácia, hotel, restaurante, oficina para veículos…

Nos anos que se seguiram, a cidade evoluiu consideravelmente. Campanhas para vendas de novas áreas rurais forma divulgadas no Estado de Minas Gerais, Estado de São Paulo e Estado do Paraná. Mostravam a cidade já como realidade, local ideal para se realizar sonhos. Como incentivo, o pagamento da propriedade mediante a própria produção. Os resultados foram excelentes, atraindo contingentes de brasileiros de diversos rincões.

 

Município de Jaciara: de empreendimento colonizador a cidade pujante em 50 anos

O nome Município de Jaciara foi o vencedor de um concurso popular, no qual a ideia surgida a partir da leitura do grande escritor brasileiro Humberto de Campos seduziu os jurados. Ela uniu uma palavra indígena a um termo do latim, criando o Altar da Lua

 

Município de Jaciara: o Altar da Lua

 

Apesar do sucesso, a localidade não tinha nome específico. Era referenciada como Cipa. O crescimento levou a se pensar numa denominação específica. Um concurso aberto recebeu várias ideias. Após estudos, foi escolhida a sugestão de Coreolano de Assunção, um sócio da companhia: relendo textos de Humberto de Campos, em “Vitória Régia”, chamou sua atenção a lenda da índia Jaciara, defendida usando argumentos imbatíveis.

O termo “jaci”, de origem Tupi, significa Lua; “ara”, latino, é altar de pedra; unindo o primeiro ao segundo, surge Jaciara, significando de “altar da Lua”. Os nomes das ruas abertas daí em diante receberam denominações da língua tupi. Em 1953, foi criado o Distrito de Jaciara. Apesar da enorme distância, ele pertencia ao Município de Cuiabá. Isso muda a partir de 1958, com o início da abertura da rodovia MT-15, hoje a BR-364.

Em pouco tempo, esta nova via de transporte vai facilitar o escoamento da produção agrícola local para os centros consumidores de diversas partes do País. Mas a grande tarefa da colonização, iniciada apenas uma década antes, acaba coroada de êxito em 20 de dezembro de 1958. Foi nesta data, quase ao final do ano, que João Ponce de Arruda, governador do Estado de Mato Grosso, sanciona a Lei criando o Município de Jaciara.

 

Município de Jaciara: de empreendimento colonizador a cidade pujante em 50 anos

O final da década de 1950 dá início a um ritmo de crescimento exponencial da Cidade de Jaciara, recebendo levas de imigrantes de todas as regiões do Brasil. Esse processo se mantém até meados dos anos 1975, graças às perspectivas oferecidas em agricultura

 

Município de Jaciara: gaúchos promovem melhorias

 

O ano de 1959 é iniciado com um prefeito nomeado: Alberto Tavares. Ele governa até 31 de janeiro de 1963, quando assume o primeiro eleito pela população: Antônio Bastos Pereira. Em sua gestão, é criado o Banco do Povo. Ele sobrevive até meados da década de 1990, sendo absorvido pelo HSBC, agora parte do Bradesco. E é inaugurado também o primeiro posto de gasolina, sob bandeira Shell, propriedade de José Cassiano da Silva.

A chegada de imigrantes mantém seu ritmo durante toda a década de 1960 e início dos anos 1970. Se, primeiro, vieram catarinenses e paulistas, logo apareceram nordestinos. Depois, goianos, mineiros e paranaenses. A partir de 1975, chegam famílias oriundas do Sul do País, notadamente do Estado do Rio Grande do Sul. E estes gaúchos promovem acentuada melhoria na agricultura, tornando o Cerrado Brasileiro uma terra produtiva.

Trazendo tecnologia de ponta, dão início à plantação da soja, cujo resultado foi de pleno êxito e muito animador. Isso causa uma brusca transformação positiva na economia. Não demora e aquele grão transformar-se na principal fonte de riqueza do Município de Jaciara. Em 30 de junho de 1978, é criada a Comarca de Jaciara, composta pela Sede, Distrito de São Pedro da Cipa, agora Município, e Distrito de Selma, antigo Jatobá.

 

Município de Jaciara: de empreendimento colonizador a cidade pujante em 50 anos

Além da cultura preponderante da soja, o Município de Jaciara recebeu investimentos significativos em plantios de eucalipto para produção de celuloso. Uma experiência de sucesso na região tem sido consorciar esta atividade com a criação de gado de abate

 

Município de Jaciara: diversificação da economia

 

Encerrada a etapa dos grandes processos migratórios, o Município de Jaciara segue recebendo novos moradores vindos de diversos pontos da Nação. A partir do início dos anos 1980, sua economia entra num processo de crescimento constante, graças à soja e à pecuária de corte, predominantes por todo o Estado de Mato Grosso. Mas, para não ficar dependente de apenas duas fontes de renda, inicia-se uma diversificação de atividades.

A região cruza o limiar do século XIX, os anos 2000, já produzindo, também, algodão, cana de açúcar, mandioca e milho, além de apresentar uma crescente expansão da sua pecuária de leite. Aos poucos, vão sendo instaladas empresas de médio e grande portes, destacando-se indústria de colchões e móveis estofados; fábrica de rações para cães, gado, gatos e peixes; produtora de forros de PVC; refinaria de álcool; e, usina de açúcar.

Devido à sua localização estratégica, quase geocentrada em relação às maiores cidades do Estado de Mato Grosso, e por estar bem servida em termos de canais de logística, lá estão sediados centros de distribuição operados por duas grandes marcas nacionalmente conhecidas: Móveis Gazin e Móveis Romera. São unidades que atendem não só as redes de lojas locais, mas também outras situadas nas unidades da Federação mais próximas.

 

Município de Jaciara: de empreendimento colonizador a cidade pujante em 50 anos

A localização privilegiada do Município de Jaciara, e por estar bem servido em termos de canais de logística, o levou a ser escolhido para sediar dois centros de distribuição de marcas nacionais de móveis, além de indústrias de diversos segmentos da economia

 

Município de Jaciara: turismo começa a despontar

 

Para incrementar o desenvolvimento econômico do Município de Jaciara, a Prefeitura criou o Distrito Industrial, em área de 250 hectares às margens da BR-364/163, na saída para o Município de Rondonópolis. E implantou uma Incubadora de Empresas, em condições de receber, simultaneamente, três firmas de médio porte. O comércio e a prestação de serviços atendem um mercado de aproximadamente 70 mil consumidores.

Nos últimos tempos, um setor vem destacando-se de modo acentuado: o turismo, mais precisamente nos segmentos aventura, ecologia e esportes radicais. Isso, graças ao rico acervo de atrativos de natureza lá disponível: cavernas, grutas, cachoeiras, corredeiras e rios. Outras duas forças são turismo de eventos e turismo de negócios, relacionados aos polos de agricultura e de pecuária disseminados pelo Sul do Estado de Mato Grosso.

 

Município de Jaciara: de empreendimento colonizador a cidade pujante em 50 anos

O Município de Jaciara tornou-se polo de sucesso em termos de Turismo de Eventos e Turismo de Negócios devido ao crescimento das atividades de agricultura e de pecuária no seu entorno. Agora, começa a despontar em áreas do turismo ligadas à natureza

 


 

Clique sobre os trechos em colorido ao longo do texto para abrir novas guias, trazendo informações complementares ao aqui sendo tratado. Eles guardam links levando para verbetes da Wikipedia e sites de empresas, entidades, Governos estaduais, Prefeituras etc.

A repetição do termo “Município de Jaciara” é intencional. É a principal palavra-chave do conteúdo. Colocá-lo diversas vezes é parte das técnicas de Search Engine Optimization — SEO, a otimização para ferramentas de busca, destacando o trabalho quando se pesquisa com Bing, Google ou Yahoo.

Nos meus textos de divulgação de turismo, ao citar uma cidade, faço em conjunto com seus apelidos. Por isso Cidade Verde de Cuiabá.

Texto produzido a partir de conhecimentos gerais do autor e pesquisas na Internet, a partir da Wikipedia, site do Governo do Estado de Mato Grosso e resultados dos mecanismos de buscas. Como fundamenta matéria com fins de divulgação do turismo, e não trabalho científico, pode apresentar erros. Se eles forem apontados, reeditarei o material com as correções.

Matéria desenvolvida a partir dos seguintes investimentos do Governo do Estado do Mato Grosso:

• Participação no fampress de jornalistas brasileiros e estrangeiros, dias 16 a 19 de abril de 2016, pelos seguintes destinos do Estado do Mato Grosso: Município de Cáceres, Município de Chapada dos Guimarães, Município de Campo Novo dos Parecis, Município de Cuiabá, Município de Jaciara e Município de Nobres; e,

• Acompanhamento da Feira Internacional de Turismo do Pantanal — FIT Pantanal 2016, dias 20 a 24 de abril, no Centro de Eventos do Pantanal, na cidade de Cuiabá, capital do Estado.