Suas 26 pequenas grandes atrações resumem cultura, informação e história referentes à propulsão mecânica aprimorada e multiplicada pelo ser humano. Força humana, tração animal, movimentação da água, uso do vento, controle do vapor, combustão interna…

 

Mundo a Vapor: retratos dos avanços tecnológicos da humanidade

 

O parque temático Mundo a Vapor foi criado para expor a força mecânica oriunda do aquecimento da água. Miniaturas de equipamentos comprovam a evolução alcançada, principalmente do final do século XIX, anos 1800, a meados do século XX, anos 1900.

Mas, o passar do tempo o levou a abranger, também, força humana, tração animal, uso da água, aproveitamento dos ventos e motores de combustão interna. Renovado após completar 25 anos de muito sucesso, ampliou seu acervo de pequenos grandes atrativos.

Numa ambientação onde se primou pela acessibilidade, o visitante segue um percurso e cobre 20 atrações. Construídas em escala reduzida, em proporções exatas dos originais, mantidas em atividade, monitores e painéis explicam detalhadamente como funcionam.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Benito Urbani e seu irmão Osmar Urbani, em 1982, criaram algo arrojado em termos no Brasil: um parque temático no qual crianças de todas as idades pudessem conhecer a importância da força do vapor para o progresso da humanidade

 

Mundo a Vapor: invenções de ponta no momento de sua criação

 

Numa visita agradável, crianças de todas as idades têm contato com um rico período de desenvolvimento do mundo e no Brasil. Tecnologias de ponta no momento da criação de cada uma estão relacionadas à agricultura, energia, indústria, petróleo, transporte…

Além de cultura, história e informação, o parque temático Mundo a Vapor ainda oferece um agradável passeio num trem pequenino, bastante charmoso; adega para a degustação e aquisição de vinhos; área para lanches; e, amplo espaço para a compra de lembranças.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Além de cultura, história e informação, o parque temático oferece um agradável passeio num trem pequenino, bastante charmoso; adega para a degustação e aquisição de vinhos; área para lanches; e, amplo espaço para a compra de lembranças

 

Mundo a Vapor: tecnologia em agricultura, energia, indústria…

 

A seguir, a relação de todos os atrativos presentes, apresentados pela ordem alfabética de suas identificações, com breves explicações sobre cada um deles.

 

  • Barco a Vapor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

O aproveitamento do vapor para gerar força mecânica, criação de James Watt em 1765, permitiu impulsionar embarcações sem depender dos ventos. Isso foi alcançado com um motor fazendo girar rodas de pás. Inicialmente, duas nas laterais; depois, uma na popa.

A roda d’água evoluiu para hélice e o motor a vapor, para turbina a vapor, originando os navios atuais. Entretanto, barcos navegando apenas em rios seguiram usando o sistema velho por longo tempo, como as antigas gaiolas do Rio Amazonas e Rio São Francisco.

Ainda hoje existem exemplares nas águas do Rio Mississipi, no Centro-Sul dos Estados Unidos da América. A miniatura de barco a vapor do Mundo a Vapor mostra a caldeira, o motor, o sistema de transmissão e a roda de pás na traseira, mas esta já encapsulada.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Um típico barco movido a vapor, com rodas de pás na traseira. Os ainda em funcionamento em diversas partes do mundo são, geralmente, utilizados para passeios turísticos, como este, cruzando um rio na Cidade de Hamburgo, na Alemanha

 

  • Beneficiadora de Erva-Mate a Vapor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Um dos costumes mais tradicionais dos gaúchos é o de beber chimarrão. E a matéria-prima para a produção desta bebida é a erva-mate. Mas, antes de chegar à infusão com água quente dentro da cuia, para ser sorvida pela bomba, passa por beneficiamentos.

Primeiro as folhas são desidratadas em estufas. Depois, dentro de cochos, moídas, ou socadas, até ficarem em pedaços diminutos. Nos primórdios, um árduo trabalho manual nas plantações. Isso mudou totalmente com pilões movidos a partir de vento ou água.

E melhorou mais com os impulsionados por vapor. A miniatura do equipamento exposta no Mundo a Vapor é reprodução, em escala, de um fabricado em 1930. A engrenagem controla os socadores, batendo um de cada vez. O processo real dura cerca de três horas.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Uma típica plantação de erva-mate. Depois de colhidas, as folhas são desidratadas e, após, moídas, piladas, socadas, até serem transformadas em pedaços pequenos. Aí, fica pronta para ser misturada à água quente e bebida como chimarrão

 

  • Bomba d’Água a Vapor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

A busca pelo domínio sobre a oferta de água faz parte da história da humanidade. Seja para consumo próprio ou usos diversos, nos milênios, desenvolveram-se técnicas para evitar a sede ou perder as colheitas: caixas, cisternas, poços, reservatórios, represas…

Difícil era transferir volumes de um lado para outro, principalmente de baixo para cima. Usava-se a força de pessoas ou tração animal. Isso mudou com a invenção das bombas d’água. Inicialmente, foram impulsionadas pelo vento ou pelos próprios cursos d’água.

Depois, por motores a vapor, como este, em escala reduzida, parte do acervo exposto no parque temático Mundo a Vapor — ainda utilizadas em locais ermos. Há ainda bombas d’água movidas por motores de combustão interna e, principalmente, energia elétrica.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Uma aplicação ainda muito atual do vento para impulsionar bombas d’água são estas, presentes nas salinas. Transferem água do mar ao interior dos tanques nos quais, sob a ação do Sol, evaporam, deixando o fundo coberto com camada de sal

 

  • Carneiro Hidráulico

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

O Carneiro Hidráulico tem esse nome em referência à Aríete, a antiga arma medieval usada para arrombar portões de castelos, fortalezas ou muralhas. Uma extremidade do tronco balançado para bater nas fortificações era decorada com uma cabeça de carneiro.

Trata-se de mecanismo para bombear líquidos — na maioria das vezes, água, muito utilizado na irrigação de lavouras. Em solução simples e engenhosa, usa o próprio curso d’água como gerador da força mecânica necessária ao seu funcionamento ininterrupto.

Custos reduzidos de instalação, e praticamente zero no funcionamento, sem precisar de fonte externa de energia, compensam o baixo rendimento do seu trabalho. A miniatura em exposição no Mundo a Vapor materializa de maneira simples todas estas vantagens.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — À esquerda, esquema de funcionamento de um Carneiro Hidráulico. Note a força de queda da água utilizada para bombear a si mesma a um nível elevado. À direita, um bem simples, montado com tubos e conexões ao alcance de qualquer pessoa

 

  • Estrutura para Extração de Petróleo a Vapor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

A primeira tentativa para se encontrar petróleo no Brasil ocorreu entre 1892 e 1896, no Município de Bofete, distante cerca de 200 quilômetros a Oeste da Cidade de São Paulo, a capital do Estado de São Paulo, iniciativa de Eugênio Ferreira de Camargo.

Somente quase meio século depois, em 1939, foi encontrado óleo no Bairro de Lobato, dentro da Cidade de Salvador, a capital do Estado da Bahia. Com produção reduzida em terra, o Brasil tornou-se autossuficiente após a exploração de reservas no fundo do mar.

A miniatura reproduz em escala a complexa estrutura utilizada para retirar petróleo do fundo da terra com a utilização de bombas movidas à força do vapor. O conhecido ouro negro é trazido à superfície pelo vai-e-vem do mecanismo chamado de cavalo de pau.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Imagem de 1892 mostra Eugênio Ferreira de Camargo, ao centro, de fraque, junto aos auxiliares, à frente da sonda usada para fazer a primeira perfuração em busca de petróleo no Brasil, no Município de Bofete, no interior do Estado de São Paulo

 

  • Fábrica de Papel a Vapor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

O papel como o conhecemos foi inventado pelo chinês Cai Lun, no ano 105. Ele usou casca de amoreira e fibra de bambu, moídas e misturadas com água. O processo atual, industrial, é praticamente o mesmo, principalmente com celulose oriunda do Eucalipto.

A pasta de madeira moída misturada com água, lançada sobre uma tela, passando pelos processos de sucção, prensagem e secagem. Ao término, todos os visitantes ganham de presente uma pequena folha impressa, produzida na menor fábrica de papel do mundo.

A réplica funcionando no parque temático Mundo a Vapor foi idealizada e construída pelos irmãos Osmar Urbani e Benito Urbani. Eles levaram cerca de quatro anos para concluir o trabalho. Ela mostra a linha de produção idêntica às das grandes indústrias.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — A linha de produção de papel exibida pela miniatura do Mundo a Vapor simula o mesmo processo dos grandes conjuntos industriais: madeira moída e misturada entra por um lado e bobinas de papel ficam prontas na outra extremidade

 

  • Ferraria a Vapor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Ferraria é a antiga oficina especializada em serviços de metalurgia. Pode produzir de simples ferraduras para cavalos até grandes peças metálicas. Até meados do século XX, anos 1900, era comum fabricar ferramentas para o trabalho, principalmente os agrícolas.

Antes da invenção da máquina a vapor, era comum seus equipamentos serem tocados apenas por roda d’água: esmeril, martelete para malhar grandes pedaços de metal, serra de cortar ferro e ventoinha soprando carvão em brasa dentro na forja — além de outros.

A visita a uma ferraria original integrava o roteiro Caminhos de Pedra, na Cidade de Bento Gonçalves, também ícone do turismo na Serra Gaúcha. A réplica do Mundo a Vapor reproduz ambientação de 1924, cujas máquinas foram importadas da Alemanha.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Foto do interior de antiga ferraria, com os trabalhadores operando alguns dos equipamentos, como a serra para cortar ferro, à direita. A imagem também exibe um dos serviços comuns na época: encapar com chapa de metal rodas de carroças

 

  • Ferrovia a Vapor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Em 13 de agosto de 1924, foi inaugurado ramal da ferrovia cuja estação final recebeu o nome de Canella — com dois eles. Dali, até o Centro da Cidade de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul, eram 150 quilômetros de trilhos, além de 30 paradas.

A concentração de pessoas e principalmente cargas de madeira vindas de toda a região levou à aceleração do crescimento do aglomerado de casas ali já existente. Logo, havia uma vila, mais tarde transformada numa das cidades mais charmosas de todo o Brasil.

Extinta em 1963, seu trecho final passava justamente onde agora está a rodovia unindo a Cidade de Canela à Cidade de Gramado, à frente do Mundo a Vapor. A maquete, rica em detalhes, reproduz a linha férrea e locais pelos quais cruzava: casas, sítios, serras etc.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Vista do pequeno aglomerado de casas da Vila de Canela, meados dos anos 1920. A foto foi tirada quando uma composição, tracionada por locomotiva a vapor, partia da estação, provavelmente tendo destino final a Cidade de Porto Alegre

 

  • Força Animal

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Em muitos países, durante séculos, lareiras serviam para assar carne. Girar o espeto sobre o fogo era tarefa das crianças e, em alguns casos, pequenos cachorros treinados. Para isso, os animais eram amarrados a uma roda e ficavam dando voltas sem parar.

Este cenário está reproduzido no Mundo a Vapor, produzido pelas engenhosas mãos dos irmãos Benito Urbani e Omar Urbani. É exemplo extremo do aproveitamento da força animal, também usada em agricultura, transporte de cargas e deslocamento de pessoas.

Outra réplica mostra uma moenda de cana-de-açúcar movida com a força de um cavalo. A cana passa entre rolos esmagadores, para máximo aproveitamento e retirada do caldo de cana. Este pode ser consumido como caldo ou para a produção de bebidas destiladas.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Uma antiga moenda de cana-de-açúcar movida à força de animais. Bois ou burros, presos à canga colocada bem ao alto, caminhando lentamente ao redor do mecanismo, faziam os cilindros de madeira girarem, esmagando os caules entre eles

 

  • Força Humana

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Desde que o ser humano surgiu sobre a face da Terra dependeu da própria força física para sobreviver. Nos primórdios, ela era usada tanto para coisas simples, como carregar água para o abrigo, quanto para aquelas, complexas, defender-se do ataque de animais.

Com criatividade, diante de necessidades novas crescentes, multiplicou sua capacidade de intervenção, criando soluções multiplicadoras do esforço. No início, alavanca, arma, roda; depois, carroça, grua, aríete; e, finalmente, equipamentos, máquinas, motores…

A barcaça para secagem era utilizada para beneficiar cacau e café. As pessoas passavam de sete a 10 dias movimentando os grãos ao Sol. O telhado desliza sobre roldanas, para ser aberto durante o dia e fechado à noite, ou sob a chuva, evitando estragar a produção.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Nos primórdios da civilização, usar a força humana era fundamental em diversas atividades, principalmente em situação de guerra. Uma das mais primitivas armas para combate foi o aríete, movimentado e operado por grupos de combatentes

 

  • Guincho a Vapor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Guincho é todo aparelho ou mecanismo próprio para levantar cargas por intermédio de um processo de tração. Consiste basicamente de um sarilho, cilindro horizontal, capaz de ser girado por força externa, em volta do qual é enrolado ou desenrolado um cabo.

Capaz de levantar grande presos, pode ser acionado pelo homem, animais de carga ou motores a vapor, de combustão interna ou elétricos. Na forma mais rudimentar, serve para tirar água de poço, tendo um recipiente preso a uma das extremidades da corda.

Mais recentemente, passaram a ser identificados como guinchos os veículos dotados de equipamentos para prestar socorro a outros carros avariados — automóveis, caminhões, ônibus etc. —, içando-os e rebocando para locais seguros ou onde sofrerão os reparos.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Reconstituição de antigo guincho impulsionado com o uso de animal de carga. No caso, um cavalo preso a uma manivela faz esta girar, movimentando-se em círculo. Conforme a corda é enrolada no sarilho, o bloco de pedra vai sendo erguido

 

  • Locomóvel

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

A origem do Mundo a Vapor tem a ver com os locomóveis das 35 serrarias ao redor da região na qual hoje está situada a Cidade de Canela, quando Ernesto Urbani passou sua Lua de Mel por lá, em 1925. Em 1927, ele abriu sua oficina mecânica e tudo começou.

Locomóvel é uma máquina a vapor automotora, usada para movimentar cargas pesadas, puxar arados e fornecer energia em locais específicos. É apelidado como Locomotiva de Estrada, numa forma de diferenciá-los das locomotivas rodando apenas sobre ferrovias.

Mesmo grandes, lentos, pesados, os locomóveis revolucionaram agricultura, indústria e transporte quando a única alternativa para realizar trabalhos exigindo força era o cavalo. Hoje, somente em localidades ermas, sem energia elétrica, há locomóveis em operação.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Locomóvel do início do século XX, anos 1900, restaurado. Apesar de ser grande, lento, pesado e difícil de manobrar, máquinas como esta revolucionaram agricultura, indústria e transporte quando a alternativa existente era a força de cavalos

 

  • Máquina a Vapor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

A primeira máquina a vapor da história humana é a Eolípila, a “Bola de Vento”, criada por Heron de Alexandria, no século I, anos 0 a 99. Em 1698, o inglês Thomas Savery montou outra, utilizada dentro de fábricas, passo decisivo para a Revolução Industrial.

Em 1712, Thomas Newcomen fez outra, para ser usada dentro das minas de carvão. Ela podia tanto bombear água quanto elevar cargas a custos menores, aposentando cavalos explorados no trabalho. Mas, a popularização do motor a vapor só é iniciada em 1777.

James Watt aperfeiçoou a máquina de Thomas Newcomen e uma das aplicações iniciais voltou-se à produção de tecidos. As fortes mudanças provocadas a partir daí vincularam o final do século XVIII, anos 1700, como o período da Primeira Revolução Industrial.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Reprodução da primeira máquina a vapor montada por James Watt. Usando o carvão mineral como combustível, criou a força impulsionadora da chamada Primeira Revolução Industrial, de início na Inglaterra e, mais tarde, ao redor do mundo

 

  • Moinho de Pedra

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Equipamento bastante utilizado até meados do século XX, anos 1900, o moinho de pedra tem esta denominação porque a moagem é feita entre dois grandes cilindros esculpidos em pedras comuns. Elas são as moendas, também conhecidas como mós.

A da parte inferior, é fixa; a superior, móvel, sendo girada por eixo impulsionado por roda d’água. Os grãos de milho ou trigo, caindo lentamente através de um furo no meio desta segunda, vão sendo esmagados entre as duas. O pó vai escorregando pela lateral.

Uma peneira, também movida pela força da água, separa o mais fino do mais grosso. O primeiro é utilizado no preparo de bolos, pães e refeições; o outro, usado como farelo na alimentação de criações. O Mundo a Vapor exibe a réplica de moinho movido a água.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Antigo e bem conservado moinho de pedra, movido a roda d’água, agora aproveitado como uma das atrações turísticas do belo Parque Histórico Municipal Jorge Kuhn, situado no Município de Picada Café, no Estado do Rio Grande do Sul

 

  • Oficina Mecânica

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Os irmãos Benito Urbani e Osmar Urbani criaram Mundo a Vapor para crianças de todas as idades experimentarem emoções semelhantes às vividas por eles quando zanzavam entre bancadas, forjas, macacos e tornos da antiga oficina mecânica do pai.

E um dos ambientes da atual estrutura do parque temático recria o interior do barracão onde os dois, mais o terceiro irmão, Hermes Urbani, brincaram durante toda a infância e, na adolescência, depois da escola, passaram a ajudar nos serviços ali desenvolvidos.

Lá, Osmar, o mais velho, demonstrou logo aptidão para a atividade. Em 1950, aos 16 anos, construiu, sozinho, a miniatura de um locomóvel — movido a vapor! Esta peça, presente na inauguração daquele espaço, há 25 anos, ainda faz parte do rico acervo.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Imagens de ferramentas comuns nas antigas oficinas mecânicas espalhadas por todo o Brasil, como aquela montada pelo pai dos fundadores do parque temático, Ernesto Urbani, na bela Cidade de Canela: forja, morsa, talhadeira e torno

 

  • Olaria

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

A olaria é uma das réplicas mais queridas do Mundo a Vapor. Reproduz equipamento original da Inglaterra, de 1910. Produz até 300 telhas e tijolos por dia, bem pequenos. Usa miniatura de máquina a vapor mover maromba e prensa, as máquinas de produção.

A produção começa com a colocação do barro na maromba. Depois, ele é prensado. Ao ser retirado da prensa, se for para fazer tijolo, cortes, para ficar no formato retangular. Se for para telha, é colocado dentro de um molde lubrificado e levado para outra prensa.

Após ganhar forma da telha colonial, recebe acabamento ainda dentro da prensa. Fora do molde, assim como o tijolo, seca em galpões à sombra, durante 10 dias. Dali, vão para os fornos, queimando de dois a três dias, a uma temperatura de 900 graus Célsius.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — A olaria é das réplicas mais queridas do Mundo a Vapor. Reproduz linha original da Inglaterra, de 1910. Produz até 300 telhas e tijolos por dia, pequeninos. Uma miniatura de máquina a vapor move maromba e prensa, máquinas de produção

 

  • Pedreira

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

O trabalho na pedreira começa na jazida, onde a rocha é extraída usando-se ferramentas manuais e dinamite. Os blocos são colocados em vagões ferroviários, e transportados até o conjunto de britagem. A miniatura exposta é a réplica de conjunto inglês, de 1885.

A força do vapor movimenta esteira, britador e classificador. As pedras são colocadas na esteira e conduzidas até à mandíbula do britador. Quebradas em tamanhos variados, cai dentro do classificador. Este, através de peneiras, seleciona os diferentes tamanhos.

Um século e meio após, a sequência de produção é a mesma. Acelerou-se a extração, passando-se a adotar perfuratrizes acionadas por ar comprimido, mas manteve-se o uso de explosivos. E mudou-se também a força motriz, agora provida por energia elétrica.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — As pedras quebradas jogadas dentro de peneiras e selecionadas pelos diferentes tamanhos. Elas formam a brita, utilizada principalmente na construção civil. Junto com areia, armações de ferro e cimento, compõem o chamado concreto armado

 

  • Relógio a Vapor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Há dois relógios movidos a vapor no mundo. O primeiro está na Cidade de Vancouver, situada na costa do Oceano Pacífico, no Canadá. Começou a informar horas e apitar de 15 em 15 minutos, em setembro de 1977, construído pelo relojoeiro Raymond Saunders.

Para desenvolver sua obra, o canadense usou um modelo de 1875. Está instalado na região da Gastown — Cidade do Gás —, parte antiga daquela metrópole. Sua instalação fez parte da revitalização do bairro, tornando-se a atração mais procurada por turistas.

Há parecidos nos Estados Unidos da América e no Japão, mas não a vapor. O outro é obra do talento de Osmar Urbani, fundador do parque temático Mundo a Vapor. Ele fez todo o trabalho usando uma foto daquele em funcionamento na Cidade de Vancouver.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Este é o primeiro relógio a vapor construído no mundo. Sem tê-lo visto pessoalmente, pois não esteve no Canadá nem na Cidade de Vancouver, Osmar Urbani construiu o modelo do Mundo a Vapor a partir de uma foto presenteada a ele

 

  • Rolo Compressor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Os rolos compressores foram inventados para aprimorar e facilitar a compactação de solos. Tratam-se de equipamentos nos quais as rodas, enormes cilindros de aço, maciços ou não, movimentam-se em ida e volta sobre terrenos, comprimindo-os com seu peso.

Bastante utilizados em diversas etapas dos serviços de engenharia civil, geralmente na preparação de avenidas, aterros, estacionamentos, ferrovias, rodovias e obras similares, deixando seus pisos em condições para receber pavimentação ou instalação de trilhos.

A miniatura exposta no Mundo a Vapor é réplica de um rolo compressor fabricado na Alemanha, em 1927. Usado para compactar o solo, principalmente em rodovias, para dar ideia do tamanho do equipamento, há um operador na mesma escala da máquina.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Este moderno rolo compressor, também chamado rolo compactador, é herdeiro direto dos primeiros modelos fabricados no início do século XX, anos 1900, os quais usavam a força gerada por motores a vapor para impulsioná-los sobre os pisos

 

  • Serraria

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

No início da colonização da Cidade de Canela, a grande fonte econômica eram serrarias, movidas por locomóveis. A miniatura reproduz o processo do beneficiamento das toras, praticamente o mesmo nos dias de hoje — só que com tudo movido a máquina a vapor.

A madeira chega à serraria e, selecionada por tamanho e comprimento, é colocada para o corte na Serra Pica-Pau. Retiradas as costaneiras, as partes curvas da casa do tronco, passa-se à Destroncadeira para eliminar as pontas, deixando tudo no comprimento certo.

Em seguida, há o corte na armação cheia, com o uso de até seis serra, transformando a tora em pranchas; e o refilador, que determina a largura das tábuas. Daí, vem a secagem, permanecendo cerca de 60 dias à sombra em empilhamento correto, para não empenar.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Vista de uma moderna serra-fita, impulsionada por energia elétrica. Ela substituiu as antigas Serras Pica-Pau no serviço de eliminação das costaneiras das toras. Isto é, as partes curvas, transformando o miolo do tronco num paralelogramo

 

  • Siderúrgica

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

A miniatura exposta no parque temático Mundo a Vapor reproduz uma siderúrgica da Alemanha, do ano de 1940. Movida por vapor gerado por caldeira, a partir da fornalha queimando carvão ou lenha, sua matéria-prima é sucata, restos de ferro industrializado.

E é especializada na produção de vergalhão, varas de ferro usadas em construção civil, para dar resistências às vigas de concreto. Tudo começa com a sucata sendo cortada por tesoura. Os pedaços são carregados por correia-transportadora e lançados no alto-forno.

Dentro do Cadinho, derretido por ação do calor, forma-se um líquido pastoso. E este é passado para um molde, formando Lingote ou Palanquilha. Frios, um ou outro corre por três etapas, cruzando o Trem de Laminação, até seu final, entregando produto acabado.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Imagem de moderna linha da produção siderúrgica de vergalhões, insumo com uso fundamental na indústria da construção civil. Por dar resistência às lajes, vigas e pilares, permite edificações com muitos pavimentos e formas arrojadas

 

  • Trator Agrícola

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Quando James Watt criou o motor a vapor, em 1765, não imaginava como sua invenção teria tantas aplicações. Demorou cerca de século e meio até ser utilizada na agricultura, com o desenvolvimento dos tratores, multiplicadores da forma humana ou força animal.

Projetado para arrastar implementos de uso específico, possibilitou vasta gama de usos, gerando economia de tempo e enormes ganhos de produtividade. Suas aplicações mais comuns foram arar os campos, deixando-os prontos para semear, e acelerar a plantação.

A réplica em exposição e operação no parque temático Mundo a Vapor é a miniatura de um modelo produzido na Alemanha, em 1927. O original impressionava pelo tamanho e peso: 8,5 toneladas — imagina-se quantas vezes atolava suas rodas de metal no terreno.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Comparado ao de 1927, este modelo moderno é de uma leveza sem par. Os pneus de borracha, apesar de bem grandes, não agridem tanto o solo, e o motor de combustão interna, bem reduzido, produz força suficiente para os árduos trabalhos

 

  • Usina Eólica

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

A busca por fontes alternativas de energia ressuscitou a energia eólica, produzida pelo vento. No Estado do Rio Grande do Sul, na Cidade de Osório, foi implantada a primeira usina em terras gaúchas: apenas 75 geradores atendem cerca de 300 mil consumidores.

A réplica do parque é inspirada nas torres lá instaladas, cujas dimensões impressionam: 134 metros de altura, pás com 35 metros de comprimento, peso de duas mil toneladas. Esta é uma paisagem tornando-se cada vez mais comum em todos os cantos do País.

No mesmo cenário, forma simples de se ter energia em casa: cata-vento destes comuns movimenta gerador e produz eletricidade, acumulada em bateria. Esta solução foi muito utilizada em fazendas e vilarejos pelo interior do Brasil até por volta da década de 1950.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor ؙ— Paisagem cada vez mais comum no Brasil: linhas de torres criando usinas de geração de eletricidade a partir do movimento dos ventos. Têm cerca de 135 metros de altura, pás com 35 metros de comprimento e podem pesar duas mil toneladas

 

  • Usina Hidrelétrica

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Usina hidrelétrica produz eletricidade aproveitando a força gerada pela água caindo em desníveis. Armazenada em represas, formando enormes lagos, os volumes em estoque permitem manter continuidade na produção, mesmo em períodos de longas estiagens.

Através de uma tubulação, o líquido é canalizado para dentro de turbina em alta pressão. A força da correnteza, ao cruzar conjunto de pás, faz girar um eixo em alta velocidade, acionando o gerador. Este transforma aquele movimento mecânico em energia elétrica.

A corrente daí gerada passa por transformadores, antes de ser transferida para as linhas de alta tensão, até chegar aos consumidores, quando é distribuída para casas, edifícios, indústrias et. Hoje, o Brasil gera até 85% da sua energia através de usinas hidrelétricas.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Imagem da Usina Hidrelétrica de Itaipu, das maiores do mundo. A água da represa é canalizada pelas tubulações para dentro de turbinas. A força da correnteza move geradores e estes transformam energia mecânica em energia elétrica

 

  • Usina Termelétrica

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Uma usina termelétrica transforma água em vapor e utiliza este em alta pressão para impulsionar geradores e produzir energia elétrica. O aquecimento da caldeira se dá com a queima de biomassa, carvão mineral, carvão vegetal, gás natural, óleo combustível…

Importante: usinas nucleares nada mais são de usinas termelétricas. O vapor é alcançado a partir da fissão de átomos de urânio, desmontados sob controle, processo semelhante à explosão da Bomba Atômica. Isso gera muito calor, aproveitado para aquecer caldeiras.

É a forma mais cara e mais poluente de se obter eletricidade. Em períodos de estiagem longa, o sistema é acionado para compensar a queda do fornecimento das hidrelétricas. Cerca de 28% da energia elétrica consumida hoje no Brasil é proveniente desta geração.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Vista da Usina Nuclear Angra I (ao fundo) e Usina Nuclear Angra II (à frente), na Cidade de Volta Redonda, localizadas na costa Sudeste do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente, a energia nuclear responde por 4% da energia produzida no País

 

  • Vitrola a Vapor

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

 

Radiola, eletrola, toca-discos ou vitrola: os mais novos só veem este equipamento em museus. Mas, até surgir o CD, era o melhor aparelho para se ouvir música. Fazia isso com um motor elétrico girando um prato sobre o qual eram colocados os discos de vinil.

Um braço mecânico com uma agulha especial na sua extremidade corria sobre as faixas ali gravadas. Passados mais de três décadas, e com todas as facilidades disponíveis nos dias atuais, como cresce o número de saudosistas, alguns modelos voltaram ao mercado.

Mas uma especial, na qual o sistema é impulsionado pela força do vapor d’água só no parque temático do Mundo a Vapor. Ela está instalada logo na entrada, funcionando normalmente todos os dias, criando o fundo musical ouvida pelos visitantes no passeio.

 

Mundo a Vapor exibe origem de tecnologias criadoras de vários confortos da atualidade

Mundo a Vapor — Um dos modelos de eletrola de muito sucesso durante as décadas de 1960, 1970 e 1980. O advento do CD, num primeiro momento, e, em seguida, o forte processo de digitalização das músicas, puseram praticamente fim a estes equipamentos

 


 

Material produzido a partir da participação na edição do ano passado da Feira Internacional de Turismo de Gramado — Festuris 2017, desenvolvida em duas etapas: dias 4 e 5 de novembro na Cidade de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul, com apoio da Rede Ficare de Hotéis e da Noratur Trade Turismo e Negócios; e, de 6 a 12 de novembro, na Cidade de Gramado, situada na Serra Gaúcha, ao Norte do Estado do Rio Grande do Sul, com apoio da Brocker Turismo e Pousada Vovó Carolina.

Clique nos trechos em colorido ao longo do texto para abrir novas guias, com informações complementares ao aqui sendo tratado. Eles guardam links levando a verbetes da Wikipedia e sites de empresas, entidades, Governos estaduais, Prefeituras etc.

A repetição da expressão “Mundo a Vapor”, e outras mais, é intencional. Elas são as principais palavras-chave dos conteúdos. Colocá-las várias vezes na postagem faz parte das técnicas de Search Engine Optimization — SEO, ou otimização para ferramentas de busca. Ajuda a destacar o trabalho na lista apresentada quando se pesquisa com BingGoogle ou Yahoo!.

Não se trata de trabalho científico, podendo apresentar erros. Se eles forem apontados, reeditarei o material com as correções. Todas as fotos têm origem identificada. Se o autor de algumas delas discordar do seu uso, basta avisar que será substituída.

Matéria republicada no seguinte veículo:

• Jornal Passaporte, sediado na Cidade de Belém, capital do Estado do Pará.