Também conhecida como Cidade Verde, Cuiabá foi fundada em 1719. Seu crescimento aconteceu em paralelo à conquista do Oeste brasileiro. Se, no início, buscava-se ouro e pedras preciosas, hoje é polo de um dos maiores espaços de agronegócios no mundo.

 

Cidade de Cuiabá mostra seus 297 anos de história na FIT Pantanal 2016

Localizada no centro da América do Sul, a cidade de Cuiabá, capital do Estado do Mato Grosso, é porta de entrada para quem deseja conhecer todas as belezas do Centro-Oeste brasileiro

 

Localizada no centro da América do Sul, a cidade de Cuiabá, capital do Estado do Mato Grosso, é porta de entrada para quem deseja conhecer todas as belezas do Centro-Oeste brasileiro. Eu seus quase 300 anos de idade, conhecida como Cidade Verde, por causa da arborização, combina cultura, diversão, história, modernidade, negócios e sabores. E possui infraestrutura capaz de receber eventos tais como congressos, feiras e seminários.

Até alcançar a pujança dos temos modernos, acumula três séculos de história. Fundada em 1719, pelos bandeirantes Miguel Sutil e Pascoal Moreira Cabral — ambos da cidade de Sorocaba, interior da Capitania de São Vicente. Surgiu devido à exploração do ouro, atividade que a sustentou nos seus momentos iniciais. Findas as jazidas, estagnou até o início do século XX, anos 1900, quando, devagar, achou novas vocações econômicas.

 

Cidade de Cuiabá caminha para completar 300 anos de uma história muito rica

Fundação da cidade de Cuiabá é decorrência da corrida em busca de ouro e de pedras preciosas pelo interior do Brasil

 

Há várias versões para o significado da denominação Cuiabá. Uma estabelece a origem no termo bororo “ikuiapá”: “ikuia” é flecha-arpão, ou flecha para pescar, feita de cana brava; e “pá” é lugar. Assim, “cuiabá” é traduzida como “lugar da ikuia”, ou “local em que se pesca com flecha”. O nome identifica a localidade onde os bororos pescavam usando as flechas. Trata-se do Córrego da Prainha, afluente da esquerda do Rio Cuiabá.

Também da língua bororo vem a segunda hipótese, da existência de árvores produtoras de cuia à beira do rio: “cuia”, vasilha, e “bá”, criador. “Cuiabá” é o “rio criador de vasilhas”. Outra explicação vem de “kyyaverá”, que, na língua guarani, significa o “rio da lontra brilhante”. A mistura de povos e o passar dos tempos foi modificando a forma de se pronunciar: primeiro, para “cuyaverá”; depois “cuiavá”; e, finalmente, “cuiabá”.

 

Cidade de Cuiabá caminha para completar 300 anos de uma história muito rica

Configuração da Chapadas das Minas do Mato Grosso, em mapa do início do século XVIII, anos 1700

 

Os primeiros indícios dos bandeirantes paulistas na região onde hoje fica a cidade de Cuiabá datam de 1673, com a passagem de Manoel de Campos Bicudo. Retornando em 1682, ele fundou o primeiro povoado, batizado de São Gonçalo, no ponto em que o Rio Coxipó deságua no Rio Cuiabá. A pequena vila não prosperou, sendo logo abandonada. Até que, em 1718, chegou ao local a bandeira do sorocabano Pascoal Moreira Cabral.

Em busca de indígenas, subiu o Rio Coxipó, combatendo os nativos. Derrotado, voltou pelo curso d’água em busca de proteção. Em uma das paradas, um dos homens achou ouro. Abandonaram a busca por escravos e passaram a se dedicar ao garimpo. No início de 1719, Pascoal Moreira Cabral, em votação direta, tornou-se comandante da região. E, em 8 de abril de 1719, assinou o documento que marca a fundação da cidade de Cuiabá.

 

Cidade de Cuiabá caminha para completar 300 anos de uma história muito rica

Planta inicial da Vila da Bela Santíssima Trindade, às margens do Rio Guaporé, primeira capital da Capitania do Mato Grosso

 

Ela nasceu no local conhecido como Forquilha, às margens do Rio Coxipó. Surgiu para garantir os direitos de exploração do ouro à Capitania de São Paulo. Como a notícia da descoberta das riquezas espalhou-se rapidamente, a imigração para a região tornou-se intensa. E logo cresceu mais. Em outubro de 1722, escravos de Miguel Sutil, também bandeirante sorocabano, descobriam novas jazidas, às margens do Córrego da Prainha.

Como a produção, ali, era bem maior do que as encontradas anteriormente, o afluxo de pessoas cresceu de forma veloz. Até mesmo a população da Forquilha mudou-se para perto deste novo local. Em 1723, já estava erguida a Igreja Matriz, dedicada ao Senhor Bom Jesus de Cuiabá, no mesmo local onde hoje está a basílica. Para impor lei e ordem na região, e melhorar o recebimento de impostos, Portugal envia uma autoridade para lá.

 

Cidade de Cuiabá caminha para completar 300 anos de uma história muito rica

Imagens da Gerra do Paraguai, conflito que durou de 1864 a 1870, em que a Província do Mato Grosso foi invadida, mas os combates não alcançaram a cidade de Cuiabá

 

É o capitão-general governador da Capitania de São Paulo, Rodrigo César de Menezes, que chega em 1726. E começa a mostrar serviço. Em 1º de janeiro de 1727, a localidade é elevada à categoria de vila, com o nome de Vila Real do Senhor Bom Jesus de Cuiabá. Logo, as lavras mostraram serem menores que o esperado, e boa parte da população foi embora. A euforia chega ao fim e começa longo período de esquecimento e o marasmo.

Isso fez com que Cuiabá só fosse elevada à condição de cidade quase um século depois, em 17 de setembro de 1818. Mesmo assim, o desenvolvimento econômico não ocorreu. Em 28 de agosto de 1835, Cuiabá torna-se a capital da então Província de Mato Grosso. Antes, essa condição pertencia a Vila Bela da Santíssima Trindade. Mas, esta mudança não foi suficiente para impulsionar o progresso. Foram mais três décadas de estagnação.

 

Cidade de Cuiabá caminha para completar 300 anos de uma história muito rica

Novas imagens dos combates durante a Guerra do Paraguai, conflito que chamou atenção para a necessidade de se ampliar a ocupação daquelas extensas áreas do Oeste com brasileiros

Este cenário muda com a Guerra do Paraguai, que durou de 1864 a 1870. Apesar da Província do Mato Grosso ter sido invadido, tendo várias cidades atacadas, as batalhas não chegaram até à capital. Terminado o conflito, com a derrota paraguaia, era necessário ampliar a presença brasileira no território. Uma das soluções veio com o incentivo à navegação fluvial, cobrindo as bacias do Rio Cuiabá, do Rio Paraguai e do Rio Paraná.

Isso impulsionou o crescimento do, agora na República, Município de Cuiabá. Mas esta nova fase durou pouco. A economia, baseada no extrativismo e na produção oriunda do plantio de cana-de-açúcar, não teve forças para segurar o avanço necessário. Isto duraria mais meio século, mudando por completo apenas a partir de 1930. As diversas linhas de telégrafo, implantadas pelo marechal Cândido Rondon, aceleraram as comunicações.

 

Cidade de Cuiabá caminha para completar 300 anos de uma história muito rica

As expedições do marechal Cândido Rondon pelo Oeste do Brasil, instalando redes de telégrafo, contribuíram para acabar com o isolamento dos vastos territórios, antes alcançados apenas por barcos ou a pé

 

Ligações por ferrovias e rodovias, com o Estado de Goiás e o Estado de São Paulo, acabaram com o isolamento terrestre. O surgimento da aviação comercial também foi decisivo neste processo. Novas explosões de crescimento dão-se a partir do início dos anos 1960, com a mudança da Capital do Brasil para o Distrito Federal, e como vários programas de povoamento do Oeste brasileiro desenvolvidos pelos Governos militares.

A partir do final do século XX, anos 1900, com o avanço das fronteiras do agronegócio, o crescimento da cidade de Cuiabá tem-se mantido em modo continuado. Atualmente, além das funções administrativas e políticas, é polo comercial, industrial e de serviços de todo o Estado do Mato Grosso. Sua população é de cerca de 600 mil habitantes — mas é centro de uma Região Metropolitana reunindo mais de um milhão de pessoas.

 

Cidade de Cuiabá caminha para completar 300 anos de uma história muito rica

Plano-piloto da cidade de Brasília, construída no Distrito Federal; a transferência da capital federal para o Centro do País levou novo surto de desenvolvimento e progresso para o Estado do Mato Grosso e a cidade de Cuiabá

 

Cuiabá, de clima tropical e úmido, é famosa pelo calor, com temperatura média de 26 graus Célsius. Cercada por três grandes biomas — Amazônia, Cerrado e Pantanal —, está próxima ao paraíso de águas do Araguaia, junto da Chapada dos Guimarães é serve de entrada para a Floresta Amazônica. Na Praça Pascoal Moreira Cabral, está o Centro Geodésico da América do Sul, local definido pelo marechal Cândido Rondon, em 1909.

A arquitetura da área urbana inicial de Cuiabá era tipicamente colonial, como de outras cidades antigas brasileiras. Bem preservada até meados do século XX, anos 1900, foi afetada por crescimento populacional, atraído pelo grande desenvolvimento econômico. A riqueza arquitetônica e paisagística do Centro Histórico sofreu adaptações. E vários prédios foram demolidos, como a antiga Igreja Matriz, em 1968, para dar lugar à atual.

 

Cidade de Cuiabá caminha para completar 300 anos de uma história muito rica

Vista do Aeroporto Internacional Marechal Rondon, na cidade de Cuiabá, porta de entrada para os turistas que buscam eventos, negócios ou lazer no Centro-Oeste do Brasil

 

Somente a partir da década de 1980 surgiram ações para preservar o que restava. Em 1987, o Centro foi tombado como Patrimônio Histórico Nacional. Desde então, vários prédios foram restaurados, como Arsenal da Guerra, Igreja do Bom Despacho, Igreja do Nosso Senhor dos Passos, Igreja do Rosário, Igreja de São Benedito, Mercado de Peixes, Palácio da Instrução e o sobrado do Museu da Imagem e do Som de Cuiabá.

As antigas Rua de Baixo, Rua de Cima e Rua do Meio — atualmente, Rua Galdino Pimentel, Rua Pedro Celestino e Rua Ricardo Franco — e suas travessas ainda mantêm bem preservadas as características arquitetônicas das casas e sobrados. Mas a lista de pontos turísticos da cidade de Cuiabá é bem maior. Outro ponto decisivo de atração de visitantes é sua vocação para as áreas de turismo de eventos e de turismo de negócios.

Com objetivo de divulgar todo este rico potencial, o Governo do Estado promove a primeira edição de uma promoção única, a Feira Internacional de Turismo do Pantanal — FIT Pantanal 2016. Ela acontecerá em duas etapas: dias 20 a 22 de abril, no Centro de Eventos do Pantanal, envolvendo comercialização, painéis, reuniões, fóruns etc.; e dias 23 e 24, na Arena Pantanal, focando principalmente atividades de aventura e lazer.

 

Cidade de Cuiabá caminha para completar 300 anos de uma história muito rica

A Feira Internacional de Turismo do Pantanal — FIT Pantanal 2016 será uma grande oportunidade para a cidade de Cuiabá mostrar ao mundo todo o seu potencial voltado o turismo, seja este de eventos, negócios ou lazer

 


 

Material produzido a partir de lembranças pessoais do autor — oriundas do ensino básico, ensino médio e ensino superior e leituras diversas — e pesquisas no ambiente da Internet: site da Prefeitura de Cuiabá e diversos verbetes da Wikipédia.

 

Não é um trabalho de historiador e deve apresentar falhas, incorreções, lapsos e erros diversos, os quais terei prazer em corrigir. Para isso, basta enviar a informação correta para o correio eletrônico disposto no cabeçalho da página inicial deste site.