A Festa da Penha, comemoração religiosa do Estado do Espírito Santo, atrai 1,5 milhão de pessoas em nove dias. Seu maior diferencial são romarias: barcos, cavaleiros, ciclistas, crianças, homens, militares, motociclistas, mulheres, pessoas com necessidades especiais e a recente remaria.

 

Festa da Penha, desde 1575; Romaria dos Homens, desde 1950

 

As comemorações em homenagem à Nossa Senhora da Penha, mais conhecida como Festa da Penha, padroeira do Estado do Espírito Belo e Santo, é a manifestação religiosa católica mais antiga do Brasil: completou 442 anos de existência nesta edição de 2017. É, também, a terceira maior em número de participantes, atraindo cerca de 1,5 milhão de pessoas — quantidade significativa, pois a população capixaba só soma 4 milhões.

A Festa da Penha perde, em tamanho, para a segunda maior, o Círio de Nazaré, com seu mar de fiéis inundando as ruas da Cidade de Belém, a capital do Estado do Pará. E para a primeiríssima, aquela voltada a Nossa Senhora Aparecida, atraindo fiéis de todo o País e até do exterior para o complexo de edificações erguidas ao redor da basílica localizada na Cidade de Aparecida do Norte, situada na Região Nordeste do Estado de São Paulo.

Outro diferencial da Festa da Penha é ser a de maior duração, com atividades por nove dias. Neste período, identificado como oitavário, festejos religiosos variados cultuam a mãe de Jesus sob uma das suas identificações. Com início no Domingo de Páscoa, vai até a segunda-feira da semana seguinte, dedicada à santa. Além das missas e procissões costumeiras nestes acontecimentos, é enriquecida por várias romarias “especializadas”.

São elas, aqui listadas em ordem alfabética:

  • Romaria das Crianças
  • Romaria das Mulheres
  • Romaria das Pessoas com Necessidades Especiais
  • Romaria dos Cavaleiros
  • Romaria dos Ciclistas
  • Romaria dos Homens
  • Romaria dos Militares
  • Romaria dos Motociclistas
  • Romaria Marítima

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

A imponente beleza da Catedral de Vitória, cuja restauração da estrutura foi concluída recentemente, toda iluminada, aguardando a saída da Romaria dos Homens: dali até à Prainha, na Cidade de Vila Velha, os romeiros percorrem por volta de 14 quilômetros

 

Festa da Penha: Romaria dos Homens e também Remaria

 

A exclusão ou inclusão de romarias é livre. Se alguém cria uma nova, basta acertar com a Arquidiocese o trajeto e o momento do acontecimento. Tanto que, neste ano, surgiu a Remaria, com centenas de barcos, impulsionados por remos acionados pelos braços dos devotos, navegando pelas águas tranquilas do canal de mar que dá acesso ao porto da Cidade Presépio de Vitória. Mas a maior de todas as romarias é a Romaria dos Homens.

A Romaria dos Homens é a romaria inicial, primeira romaria, romaria mais tradicional, romaria que deu início a todas as outras. É, sem dúvida, a “Mãe de Todas as Romarias”, pois o sucesso dela levou — e continua levando — ao surgimento das outras. Criada pelo bispo dom Luiz Scortegagna, em 1950, tinha objetivo bastante simples: estimular a participação masculina na Festa da Penha, antes restrita praticamente só às mulheres.

Realizada no sábado à noite, nestes seus 67 anos de existência o percurso da Romaria dos Homens teve poucas variações, devido à modernização do trajeto e ao crescimento do número de participantes. Sai da Catedral de Vitoria, parte alta do Centro da cidade, e segue por cerca de 14 quilômetros até o Parque da Prainha, bairro do Centro Histórico do Município de Vila Velha, bem aos pés da montanha abrigando o Convento da Penha.

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

Nesta rara imagem, a Romaria dos Homens, em sua edição do ano de 1958, com os participantes, somente homens, cruzando as Cinco Pontes, ligação rodoviária entre a Cidade Presépio de Vitória e a parte continental do Estado do Espírito Belo e Santo

 

Festa da Penha: Romaria dos Homens, mulheres, crianças…

 

Nos primórdios, a Romaria dos Homens cruzava as Cinco Pontes para deixar Vitória e atingir Vila Velha. Agora, usa a Segunda Ponte e seu conjunto de viadutos. No início, o final acontecia na área de recepção a visitantes junto ao Convento da Penha, no alto do morro. Mas o espaço ali existente ficou pequeno para abrigar a quantidade de romeiros crescendo ano a ano. Assim, por mais segurança, foi deslocado para o nível do mar.

Até 2015, a Romaria dos Homens deixava a Cidade Alta de Vitória cruzando à frente do Palácio Anchieta, sede do Governo do Estado do Espírito Santo. Como a ladeira ali existente é estreita, formava um gargalo, atrasando o cortejo e a liberação das ruas para o trânsito de veículos após a passagem do andor levando a imagem da santa. Na edição de 2016, optou-se por utilizar ruas internas, mais largas, para tentar resolver o problema.

Depois de serpentear pela Região Norte da cidade de Vitória durante dois quilômetros — passando embaixo do Viaduto da Caramuru, ao lado do Parque Moscoso, por dentro da Vila Rubim e entre a Rodoviária e o Parque Tancredão —, o cortejo da Romaria dos Homens alcança a Segunda Ponte. São mais dois quilômetros adornados pelo mais belo visual de todo o percurso, caminhando-se por espaço aberto e tendo o mar sob os pés.

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

Nesta outra imagem bem rara, o encerramento da Romaria dos Homens de 1958, com a missa solene sendo realizada no alto da montanha que abriga o Convento da Penha. Ao fundo, à direita, vê-se a Ilha do Boi, a Ilha do Frade e a bela baía da Praia de Camburi

 

Festa da Penha: Romaria dos Homens cruza 14 quilômetros

 

A Romaria dos Homens deixa para trás o cenário iluminado, justificador do apelido de “Cidade Presépio” para a cidade de Vitória. À sua esquerda, a beleza das Cinco Pontes e o conjunto de portos de um lado e outro do canal; à frente, o contraste entre montanhas e horizonte plano; à direita. a serenidade das águas formando a bela Baía Noroeste. E assim, sem esforço, vence-se o braço de mar separando a Ilha de Vitória do continente.

Por cima de viadutos, a Romaria dos Homens bordeja o Município de Cariacica e, ao atravessar o Rio Marinho, alcança o Município de Vila Velha. São oito quilômetros pela Avenida Lindenberg, até entrar no Centro daquela cidade, e mais dois para se chegar ao Parque da Prainha. Antes, ao se alcançar o Bairro do Ibes e o Bairro da Glória, as belas cenas de famílias acampadas dos dois lados da via, aguardando a passagem da imagem.

Muitas delas trazem de casa água fresca, refresco gelado, sucos de frutas e lanches leves para ofertar aos romeiros. Iniciativa de solidariedade, amenizando o esforço de algumas das milhares de pessoas desconhecidas, tratadas ali como irmãs. Assim que os últimos integrantes da Romaria dos Homens chegam ao Parque da Prainha escoltando a imagem de Nossa Senhora da Penha, a celebração de uma missa é o clímax do acontecimento.

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

Outra imagem rara da Festa da Penha, provavelmente do final dos anos 1960, de missa sendo realizada no campinho aos pés do Convento. Note-se as linhas dos quebra-mares unindo diversas ilhotas hoje integradas à Ilha de Vitória pelo aterro da Enseada do Suá

 

Festa da Penha: Romaria dos Homens atrai 200 mil participantes

 

Se, lá no início, apenas os homens, geralmente adultos, eram admitidos na Romaria dos Homens, hoje é facultada a presença e mulheres, crianças, adolescentes, integrantes da Melhor Idade, pessoas com necessidades especiais a até mesmo animais de estimação. Marido e mulher, casais de namorados, grupos de jovens, pessoas sozinhas, contrição e descontração, oração e cantoria e caminhantes descalços são observados na procissão.

Algo que não se vê na Romaria dos Homens são os pagadores de promessas carregando cruzes, por exemplo. Cena comum em eventos católicos desta dimensão, é inexistente na Festa da Penha. Com o percurso sendo coberto por volta de quatro horas, do instante em que o andor com a imagem da santa deixa a Catedral até sua chegada à Prainha, dá para se estimar uma corrente de pessoas estendendo-se por cerca de sete quilômetros.

A Romaria dos Homens atrai cerca de 200 mil participantes, número expressivo, pois representa cerca de 10% da população da Região Metropolitana da Grande Vitória. Esta corresponde à área geográfica reunindo o Município de Vitória, no centro; Município de Fundão e Município de Serra, a Norte; Município de Viana e Município de Cariacica, a Oeste; e, por fim, Município de Guarapari e Município de Vila Velha, a Sul.

Uma marca da Romaria dos Homens é a presença de carros de som ao longo do trajeto. E variam de imensos trios elétricos a veículos comuns, equipados com alto-falantes. Isso depende das comunidades responsáveis por eles. Se conseguem altos patrocínios, investem mais; caso contrário, apresentam iniciativas humildes. A intenção é oferecer ânimo aos romeiros, com músicas louvando os esforços de cada um naquela caminhada.

Em sua maioria, os trios trazem grupos musicais formados por jovens apresentando canções enfatizando as grandes estrelas do evento: Deus, Jesus Cristo, Nossa Senhora da Penha e romeiros. Como se deslocam varagarosamente, conforme a massa de pessoas avança, vai ultrapassando um em sequência ao outro, ao mesmo tempo em que participa ativamente das manifestações e orações ditadas pelos cantores, através dos microfones.

 

Festa da Penha: Romaria dos Homens e seus carros de som

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

 

Carro de som marca Romaria dos Homens, Festa da Penha, Estado do Espírito Santo

 


 

Clique nos trechos em colorido ao longo do texto para abrir novas guias, com informações complementares ao aqui sendo tratado. Eles guardam links levando para verbetes da Wikipedia e sites de empresas, entidades, Governos estaduais, Prefeituras etc.

A repetição das expressões “Festa de Penha” e “Romaria dos Homens” é intencional. Elas são as principais palavras-chave dos conteúdos. Colocá-las várias vezes na postagem faz parte das técnicas de Search Engine Optimization — SEO, ou otimização para ferramentas de busca. Ajuda a destacar o trabalho na lista apresentada quando se pesquisa com Bing, Google ou Yahoo!.

Nos meus textos de divulgação de turismo, adotei o critério de, ao citar uma cidade, fazê-lo em conjunto com seu apelido. Exemplo: Cidade Presépio de Vitória ou Estado do Espírito Belo e Santo.

Não consegui identificar a autoria de três fotos antigas. Se alguém tiver alguma informação quando a isso, basta avisar que reeditarei o material. As demais têm autoria identificada. Se algum autor não concordar com sua publicação é só avisar que será substituída.