Atenas Brasileira, Capital Nacional do Reggae e Cidade dos Azulejos, além de Jamaica Brasileira, a Cidade de São Luís destaca-se também por outros aspectos positivos. E o turismo de negócios, forte devido ao setor industrial é  dos mais importantes, ao lado de aventura, cultural, ecológico…

 

Cidade de São Luís: recordista em epítetos

 

Uma boa forma de descrever a Cidade de São Luís, capital do Estado do Maranhão, é citar os apelidos, ou epítetos, a ela atribuídos. Eles são muitos — talvez seja a recordista neste aspecto no território nacional —, todos bastante positivos e, é claro!, merecidos.

O mais comum é o de ser uma das três capitais de Estados brasileiros situadas em ilhas. As outra duas são a Cidade de Florianópolis, no Estado de Santa Catarina, e Cidade de Vitória, no Estado do Espírito Santo, mas estas têm parte do território no Continente.

Outro, exclusivo: única cidade brasileira fundada por franceses, quando eles invadiram aquele pedaço de Brasil para criar a França Equinocial. Mais: Cidade dos Azulejos, pelo casario do Centro Histórico ter suas fachadas decoradas com este elemento construtivo.

Outro, bem importante: Atenas Brasileira, em função do enorme número de escritores de expressão mundial em Literatura Portuguesa: Aluísio de Azevedo, Gonçalves Dias, Graça Aranha, Ferreira Gullar, José Sarney, Josué MontelloNauro Machado e outros.

E, ainda: Capital Nacional do Reggae, pelo grande número de apreciadores do ritmo jamaicana reggae roots, ou reggae de raiz — também por isso, considerada a Jamaica Brasileira; Ilha Bela; Ilha do Amor; e, Ilha Grande — a Upaon-Açu dos seus nativos.

 

Capital do Estado do Maranhão, Cidade de São Luís é campeã em apelidos e epítetos

Uma das três capitais de Estado brasileiras situadas em ilha, única capital de Estado no Brasil fundada por franceses, Atenas Brasileira, Capital Nacional do Reggae, Jamaica Brasileira, Ilha Bela, Ilha do Amor: este são alguns dos apelidos da Cidade de São Luís

 

Cidade de São Luís: única capital de Estado fundada por franceses

 

Os tupinambás eram seus habitantes exclusivos, até a chegada dos europeus, no século XVI, anos 1500. Estes, aos poucos, foram assenhorando-se daquela terra flutuando entre a Baía de São Marcos e a Baía do Arraial, no litoral Norte do atual Estado do Maranhão.

Limita-se com o Oceano Atlântico, pelo lado Norte; Município de Paço do Lumiar, Município de São José de Ribamar e o Município de Raposa, todos a Leste; e, a Oeste, mas do outro lado da Baía de São Marcos, está localizado o Município de Alcântara.

Mais quatro ilhas integram o Município de São Luís: Ilha do Medo, a Noroeste, junto à Praia do Amor; Ilha do Tauá-Mirim, a Sudoeste, entre Estreito dos Coqueiros e Baía de São Marcos; e, Ilha do Tauá-Redondo e Ilha Duas Irmãs, ambas também a Sudoeste.

 

Capital do Estado do Maranhão, Cidade de São Luís é campeã em apelidos e epítetos

Vista aérea da Cidade de São Luís, mostrando a Ilha do Tauá-Redondo e Ilha do Medo, à esquerda, ao fundo, e Ilha Duas Irmãs, ao centro da imagem. A quarta ilha para do arquipélago, a Ilha do Tauá-Mirim, por estar mais à esquerda, não aparece nesta foto

 

Cidade de São Luís: calor é amenizado por mar, vento e árvores

 

Ficando no limite entre flora da Amazônia e flora do Nordeste, apresenta habitat rico em variedade de espécies animais e vegetais. É cercada por baixios alagados, dunas moderadas, manguezais ricos e praias extensas, formando a chamada Planície Litorânea.

Estando a uma altitude de quatro metros acima do nível do mar, a temperatura mínima, na maior parte do ano, vai de 21 e 27 graus Célsius; a máxima, de 27 e 34. E apresenta dois períodos de tempo distintos: chuvoso, janeiro a junho; e, seco, agosto a dezembro.

O clima na Cidade de São Luís é quente, mas o calor é amenizado pelo mar, vento constante, muita vegetação litorânea e grande quantidade de coqueiros. Algumas áreas de Floresta Amazônica livres da urbanização estão protegidas em parques ambientais.

Aquele vasto território é cortado por muitos cursos d’água, correndo em direções as mais diversas: Rio Anil e Rio Bacanga são os principais; os demais são Rio Cachorros, Rio Calhau, Rio Coqueiro, Rio Maracanã, Rio Pimenta, Rio Tibiri e Rio Paciência.

O Rio Anil, com 13, separa o Centro Histórico da cidade moderna. O Rio Bacanga, com 234 quilômetros de extensão, alcança o mar após cruzar o Parque Estadual do Bacanga. Ambos desaguam na Baía de São Marcos, em belos estuários cobertos de manguezais.

A Lagoa da Jansen, ou Laguna da Jansen, pelas saídas para o mar, maior da ilha, tem seis mil metros quadrados de área. O Parque Botânico abriga bicho-preguiça, cutia, gato-maracajá, macaco-capijuba, macaco-prego, paca, tamanduá-mirim e tatupeba.

 

Capital do Estado do Maranhão, Cidade de São Luís é campeã em apelidos e epítetos

Vista da Cidade de São Luís, a partir da Ponta do Molhe, com a Lagoa da Jansen, ou Laguna da Jansen, destacando-se ao centro da imagem. A superfície de água cobre área de seis quilômetros quadrados, ao redor da qual há equipamentos para esporte e lazer

 

Cidade de São Luís: cultura, eventos, gastronomia, história…

 

Com 405 anos de fundação, a Cidade de São Luís tem mais a mostrar além do rico acerco de prédios antigos, Centro Histórico com edificações de paredes azulejadas e cultura singular, como grupos de boi-bumbá, tambores de crioula e blocos de Carnaval.

Um dos mais importantes destinos para visitantes no Nordeste e Norte do País, a Cidade de São Luís oferece muitas opções de diversas modalidades de turismo, como aventura, cultura, ecologia, esportes, eventos, gastronomia, história, lazer, negócios e muito mais.

Possui acervo arquitetônico colonial de cerca de 3.500 prédios, distribuídos por mais de 220 hectares do Centro Histórico, a maior parte Patrimônio da Humanidade, em decisão da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura — Unesco.

Esportes como frescobol, futebol em areia, futevôlei, kitesurf, stand up paddle, surfe e vôlei em areia são populares na Cidade de São Luís em virtude dos 32 quilômetros de extensão de suas praias, algumas alcançando largura de sete quilômetros na maré baixa.

O potencial para turismo científico é enorme com a anunciada internacionalização dos lançamentos de foguetes no Centro de Lançamento de Alcântara, considerado hoje o melhor ponto para se alcançar o espaço, devido estar praticamente na Linha do Equador.

E, mais: a Cidade de São Luís é porta de entrada para dois ícones do turismo mundial: Parque Nacional das Chapada das Mesas, no Sudoeste, junto ao Estado do Tocantins, e Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, junto ao litoral Nordeste do Estado do Maranhão.

 

Capital do Estado do Maranhão, Cidade de São Luís é campeã em apelidos e epítetos

Em homenagem aos 405 anos da Cidade de São Luís, copiamos iniciativa da Fundação Biblioteca Nacional e reproduzimos imagem rara: planta da parte antiga, de 1912, desenhada por Justo Jansen Ferreira, provavelmente um descendente de Ana Jansen

 

Cidade de São Luís: setor industrial impulsiona turismo de negócios

 

Outro destaque é o turismo de negócios, graças à presença do seu setor industrial, em constante desenvolvimento. Grandes corporações e empresas de diversas áreas buscam a Cidade de São Luís devido à privilegiada posição geográfica e localização estratégica.

Ela ocupa posição equidistante em relação a grandes centros importadores de produtos do Primeiro Mundo, como os 28 países do Mercado Comum Europeu, a Leste, e Canadá e Estados Unidos da América, a Oeste, além de diversos outros do Caribe, por exemplo.

O Porto do Itaqui, inaugurado em 1967, o segundo mais profundo do mundo, e um dos mais movimentados do País, é praticamente especializado na movimentação de granéis líquidos e sólidos. Recebe combustíveis e fertilizantes e esporta diversas commodities.

Os grãos da soja colhidos na região reunindo partes do Estado do Maranhão, Estado do Tocantins, Estado do Piauí e Estado da Bahia — conhecida pelo acrônimo Matopiba — chegam até à Cidade de São Luís através da Ferrovia dos Carajás e Ferrovia Norte-Sul.

O mesmo acontece com a celulose produzida pela Suzano no entorno do Município de Imperatriz, a Sudoeste do Estado do Maranhão. Tudo isso é carreado para os terminais compondo o complexo do Porto do Itaqui, pelo menos até a construção de novos piers.

O minério de ferro da Serra dos Carajás e Serra Leste, ambas no Sudeste do Estado do Pará, chegam à Upaon-Açu usando a Ferrovia de Carajás e novo trecho estrada de ferro, com 100 quilômetros de extensão, denominado Ramal Ferroviário do Sudeste do Pará.

A extração, beneficiamento, transporte e exportação desta última riqueza está a cargo da companhia Vale. Ela também usa seu terminal privativo, Ponta da Madeira, duplicado a pouco, respondendo por cerca de 80% do escoamento da commodity na Região Norte.

A mineradora investiu numa estrutura capaz de atender o crescimento da produção com a operação do SD 11, maior empreendimento da história da empresa, integrando a busca pela produtividade ao respeito pelo meio ambiente e tradições das comunidades locais.

Soluções como truckless, substituindo fora de estrada por correia transportadora, reduz em 70% o consumo de diesel, e 100 quilômetros de estrada de ferro sobre viaduto acima da copa das árvores evita interferência em área de preservação de animais e vegetação.

Notem: vinda de onde for do Centro-Oeste brasileiro, a quase totalidade das produções chegam à Cidade de São Luís via malha ferroviária das mais modernas do Brasil. Breve, ligará o Estado do Maranhão às existentes nos Estados da Região Sudeste e Região Sul.

Esta modalidade de transporte acelera, barateia e facilita o escoamento das crescentes safras agrícolas, enormes volumes de minérios e produções em grande escala. Assim, vem demandando decisivos investimentos nos equipamentos portuários já disponíveis.

O Porto de Itaqui está sendo ampliado, assim como o Terminal Graneleiro de Soja — Tegran. E está sendo projetado mais um grande terminal, iniciativa apenas particular, numa associação de duas grades construtoras: a brasileira WTorre e a chinesa CCCC.

Não podemos esquecer da planta da Alumínios do Maranhão — Alumar, instalada naquela área. Em tem seu porto, no qual recebe bauxita e carvão mineral, insumos utilizados na fabricação da alumina. Esta, depois de produzida, escoa por lá mesmo.

 

Capital do Estado do Maranhão, Cidade de São Luís é campeã em apelidos e epítetos

Porto do Itaqui, inaugurado em 1967, situado próximo ao espaço urbano, segundo do mundo em profundidade, dos mais movimentados do País, escoa minério de ferro vindo da Serra dos Carajás, localizada no Sudoeste do Estado do Pará, via Ferrovia Norte-Sul

 

Cidade de São Luís: mais rica do País em manifestações culturais

 

A ligação rodoviária se dá pela BR-135, em processo de duplicação das suas pistas. E o Aeroporto Internacional Marechal Cunha Machado, também conhecido como Aeroporto de Tirirical, tem capacidade para atender cerca de seis milhões de passageiros por ano.

Cidade com maior população do Estado do Maranhão, supera 1,1 milhão de habitantes, distribuídos por área de 840 quilômetros quadrados, sendo apenas 158 mil em perímetro urbano. Em termos de acervo de manifestações culturais, é a capital mais rica da Nação.

O transporte coletivo de passageiros no perímetro da área urbana é feito por rede de linhas de ônibus, no Sistema Integrado de Transporte de São Luís — SIT São Luís, com suas ligações bairro-terminais, terminais a terminais e terminais ao Centro da cidade.

 

Para concluir, mais alguns destaques da Cidade de São Luís:

 

  • 100% da área urbana coberta por rede de iluminação pública
  • 79% dos domicílios atendidos por rede de coleta de esgoto
  • 69% dos domicílios com lixo coletado por serviços de limpeza
  • 50% das ruas pavimentadas
  • 50% das ruas com disponibilidade de serviços de energia elétrica
  • 43% da população com escoadouro sanitário
  • 30% das ruas com rede de drenagem

 

Capital do Estado do Maranhão, Cidade de São Luís é campeã em apelidos e epítetos

A Cidade de São Luís é atendida pelo Aeroporto de Tirirical, como é mais conhecido o Aeroporto Internacional Marechal Cunha Machado, situado a 14 quilômetros do Centro da área urbana, com capacidade para próximo de seis milhões de passageiros por ano

 


 

Clique nos trechos em colorido ao longo do texto para abrir novas guias, com informações complementares ao aqui sendo tratado. Eles guardam links levando a verbetes da Wikipedia e sites de empresas, entidades, Governos estaduais, Prefeituras etc. — além de gentis colaborações do engenheiro químico José Domingues Neto, um pernambucano atualmente ludovicense.

A repetição da expressão “Cidade São Luís”, e outras mais, é intencional. Elas são as principais palavras-chave dos conteúdos. Colocá-las várias vezes na postagem faz parte das técnicas de Search Engine Optimization — SEO, ou otimização para ferramentas de busca. Ajuda a destacar o trabalho na lista apresentada quando se pesquisa com BingGoogle ou Yahoo.

Texto redigido a partir de conhecimentos gerais do autor e  pesquisas na Internet, principalmente Wikipedia e espaços do Governo do Estado do Maranhão, Prefeitura do Município de São Luís e entidades ligadas à história e ao turismo do território maranhense presentes na Web. Não é um trabalho científico, podendo apresentar erros. Se eles forem apontados, reeditarei o material com as correções.

Todas as fotos têm origem identificada. Se o autor de algumas delas discordar do seu uso, basta avisar que será substituída.

Material produzido a partir da participação na edição 2017 do São João de São Luís, a convite da Revista Maranhão Turismo com apoio da Secretaria de Turismo da Prefeitura da Cidade de São Luís.