Empresa inovou um mercado estagnado. Grupos menores, permanência maior, equipes diferenciadas, apoio tecnológico, benchmarking do melhor no mundo. E, ainda, a criação dos Cinco Grandes do Pantanal: anta, ariranha, lobo-guará, onça-pintada e tamanduá-bandeira.

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

 

Brazil Safáris: serviços de Primeiro Mundo

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Antes, programas do tipo bate-volta, dois dias e uma noite ou três dias e duas noites.  Lotação máxima de Kombis, ônibus ou vans, praticamente não permitindo a visão externa. Correria desabalada, motorista dirigindo e, ao mesmo tempo, sendo o guia

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Benchmarking do que há de melhor no mundo em termos de safáris para observação de animais: África do Sul. Exemplo de qualidade: carro-safári, este, com capacidade para nove passageiros, guia em pé num suporte lateral e motorista apenas dirigindo o veículo

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Carro-safári desenvolvido pelo Bráulio Carlos para o atendimento a turistas pela sua Brazil Safáris: capacidade para apenas seis passageiros, bancos escalonados e bem altos, teto permitindo às pessoas ficarem em pé, cabine para o guia especializado e o motorista

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Com veículos sem superlotação, atendimento sem correrias e tempo para aproveitar os passeios dá para levar lunetas de grande potência e instalá-las nas melhores posições. Assim, todos podem observar de longas distâncias, mas com visão de alta qualidade

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Acima, exemplo da visão de um pássaro a olho nu e através de uma luneta. E, abaixo, o grupo curtindo o momento, cada um usando o próprio equipamento e tendo condições de trocar ideias, expressar sentimentos, vivenciar emoções sem hora para ir embora

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Se no passado, pela pressa, praticamente visitava-se sempre o mesmo local, agora os pontos de acesso são bastante variados. E pode-se chegar a eles a bordo dos modernos carros-safári, passeando ao meio da natureza exuberante oferecida pelo Pantanal

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Caso o ponto buscado não possa ser alcançado por carro-safári, barcos modernos, com casco de alumínio, são a solução. Quando a propulsão por motor elétrico tornar-se viável, todos serão equipados com esta tecnologia, reduzindo o impacto sobre o meio ambiente

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Apesar de todas as medidas de proteção, como a proibição da caça, a quantidade de onças-pintadas no meio ambiente é bastante reduzida. E, pior ainda: por ter hábitos solitários, torna-se quase impossível de ser vista em 99% da área de sua ocorrência

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Avista-se muita onça-pintada pelos rastros por elas deixados na natureza. Por exemplo: marcas de unhas em caules de árvores. Serve para fotos, mas decepciona aqueles vindos de tão longe para encontrar o maior felino das Américas e o terceiro maior do mundo

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Outras duas formas de avistar onças-pintadas de modo indireto. Acima, fezes deixadas por elas em suas andanças, geralmente noturnas; abaixo, marcas de pegadas em terrenos macios ou úmidos, estes últimos, à beira dos locais procurados para saciar a sede

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Essa visão é como acertar no primeiro prêmio de uma Loteria: o casal de onças-pintadas cruza a estrada de modo tranquilo, tanto que deu tempo para apontar a máquina e fixar esta belíssima e rara imagem. Isso acontece uma vez na vida, para muitos poucos

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Conhecendo rotinas dos animais, trabalhando com método, usando tecnologia, a Brazil Safáris ampliou as possibilidades de se encontrar onças-pintadas naquele 1% de terreno em que ela vivem. E, quando um grupo avista os animais, avisa rapidamente os outros

 

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Importante: nunca se toma atitudes para estressar, assustar os animais. Não se precisa ficar ao lado delas para apreciar suas belezas. Assim, elas vão se acostumando com a situação e tornando-se mais acessíveis, chegando a se exibir para seus admiradores

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Guia de Bolso para observação da biodiversidade no Pantanal: pequeno e fácil para manusear, com 151 imagens de animais, pássaros e répteis. O turista vai marcando no papel o que encontra na natureza. E leva para casa como recordação da experiência

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

A fórmula para convencer os turistas a investir mais dinheiro em programas de estadia mais longas é uma só: entregar um serviço diferenciado ao final. E alcançar a situação expressada nesta imagem: todo mundo sorrindo, feliz, ao final de um dia sem igual

 

Brazil Safáris: sucesso com turismo para observação da biodiversidade no Pantanal

Uma prova da qualidade do serviço prestado pela Brazil Safáris. O principal executivo de uma companhia exportadora da meca de observação de animais, a África do Sul, detalhando: o que ele viu no Pantanal em duas semanas é impossível em sua terra natal

 

Brazil Safáris: turismo altamente sustentável

 

Dentro da extensa, rica e variada programação de clínicas, encontros, fóruns, oficinas, painéis, palestras, reuniões, saraus, treinamentos e workshops integrando a edição deste ano da Feira Internacional de Turismo do Pantanal — FIT Pantanal 2016, um tema sobressaiu: a nova abordagem turística para o Pantanal do Estado do Mato Grosso como grande negócio, mas mantendo sua competitividade sem perder sua sustentabilidade.

Sob a mediação do empreendedor André Thuronyi, diretor da Pousada Araras Pantanal Eco Lodge, o consultor Álvaro Ornelas, da Discovery Brasil, abriu os trabalhos falando sobre a relevância da integração de roteiros. E o chef Fernando Mack concluiu trazendo experiências gastronômicas a partir da diversidade e da variedade de alimentos, ervas, ingredientes, insumos, temperos e vegetais característicos daquelas planícies alagáveis.

Entre a primeira e a segunda falas, discorreu o especialista em turismo receptivo Bráulio Carlos, nascido no Peru, mas radicado no Brasil desde sua adolescência. Formado em Economia, e com Mestrado em Ecologia e Conservação da Biodiversidade, chegou ao Pantanal em 1988, quase 30 anos atrás. Cinco anos depois, em 1993, iniciou os seus primeiros passos na recepção e guiamento de turistas, notadamente vindos do exterior.

 

Brazil Safáris: consolidação de experiências

 

Depois de conduzir com sucesso sua Alligatours, em 1996 figurou entre os fundadores do Pantanal Bird Club, entidade voltada à prática de observação de pássaros até hoje bastante presente na região do Pantanal do Estado do Mato Grosso. Em paralelo, atuou como professor do Curso de Guia Regional da Seccional Estado do Matos Grosso do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial — Senac-MT, nos anos de 1998 e 1999.

Ainda em 1999, Bráulio Carlos ampliou sua experiência como instrutor, no Curso de Guia Regional do Programa Qualificar da Escola Técnica Federal do Estado do Mato Grosso. Mesmo envolvido num sem número de responsabilidades, manteve-se ativo nas atividades de pesquisa, tendo participado da redescoberta do Tiê-bicudo. Ave descrita pela primeira vez em 1939, por mais de seis décadas não havia mais sido vista no País.

Sempre preocupado em aliar qualidade de atendimento com a viabilidade dos negócios e a sustentabilidade das operações, deu nova guinada na vida de empreendedor e partiu para oferecer um serviço realmente personalizado em turismo receptivo especializado no Pantanal. E, em 2006, abriu sua atual empresa, a Brazil Safáris, atuando segundo uma bateria de diferenciais estruturadores de um sucesso pouco visto dentro do Brasil.

 

Brazil Safáris: fim dos bate-volta, da correria

 

Se, antes, os programas eram do tipo bate-volta, dois dias e uma noite ou três dias e duas noites, agora são no mínimo de sete dias e seis noites, 10 dias e nove noites ou 14 dias e 13 noites. Se, ontem, buscava-se a lotação máxima de Kombis, ônibus ou vans, praticamente não permitindo a visão externa, hoje usa-se o carro-safári, especialmente criado para atender com conforto e segurança grupos máximos de apenas seis pessoas.

Se, em tempo idos, o motorista dirigia desabaladamente e, ao mesmo tempo, fazia as apresentações de campo atabalhoadamente, na atualidade o condutor é um e o guia é outro, este fica posicionado de modo a atender a todos, sem atrapalhar ninguém. Se, no passado, a observação era a olho nu, no presente usa-se lunetas de tripé, instalando-as nas melhores posições possíveis, uma vez que tudo é feito com calma e tranquilidade.

Se, nos velhos costumes, aa remuneração da equipe era comum, padrão, nestes novos hábitos tornou-se 30% superior à média do mercado. Se, outrora, visitava-se sempre o mesmo local, modernamente varia-se, e bastante, a entrada para o Pantanal. De acordo com a época do ano, e o meio de transporte a ser utilizado em determinados percursos — se barco ou carro —, define-se a melhor opção dentre o cardápio de disponibilidades.

 

Brazil Safáris: programas bem mais caros

 

A região da Cidade de Barão de Melgaço, situada a 100 quilômetros ao Sul da capital, a Cidade Verde de Cuiabá, oferece quatro delas: Baía de Chacororé, formada pelas águas do Rio Cuiabá, com seus 15 quilômetros de diâmetro, superando a Baía da Guanabara em termos de largura; Baía de Siá Mariana, também às margens do Rio Cuiabá; Distrito de Mimoso; e Memorial ao Marechal Cândido Mariano Rondon, agora revitalizado.

Nas proximidades da Cidade Princesinha do Pantanal de Cáceres, situada a cerca de 300 quilômetros a Oeste da capital, são duas: Estrada Boiadeira Antiga e Estação Ecológica de Taiamã. E, por fim, na Cidade de Poconé, localizada a 100 quilômetros a Sudoeste da capital, pode-se usar a estrada-parque mais conhecida como Rodovia Transpantaneira ou ambientes do Parque Estadual Encontro das Águas e Parque Nacional do Pantanal Matogrossense.

É claro que os programas com grupos pequenos, exigindo mais tempo de hospedagem, tendo mais saídas, são bem mais caros. Então, que fórmula Bráulio Carlos usou para convencer o turista a investir mais? Simples: benchmarking do melhor no mundo em safáris de observação: África do Sul. “ Nós temos um país colorido, rico e os Big Five [os cinco grandes]” — revela Thokozile Xasa, ministro do Turismo daquela nação.

 

Brazil Safáris: Big Five do Pantanal

 

Mas, afinal, o que são estes tais de Big Five? Simples: búfalo, elefante, leão, leopardo e rinoceronte. Um assunto levado tão a sério que as imagens de cada um deles estampam as cédulas do Rand, a padrão monetário, a moeda, o dinheiro, que os sul-africanos usam para pagar suas contas. Então, bastava definir os Big Five da América do Sul, desde que todos também presentes no Brasil e, melhor, podendo ser encontrados pelo Pantanal.

Fácil, isso, para alguém vivendo aquela realidade 24 horas por dia, há muitos e muitos anos. Bráulio Carlos então listou anta, ariranha, lobo-guará, onça-pintada e tamanduá-bandeira. Uns bem mais fáceis de serem encontrados que os outros — como a anta, por exemplo. A ariranha e o tamanduá-bandeira podem ser colocados em segundo lugar. E o logo-guará é como acertar na Loteria, devido à quantidade exígua de espécies vivas.

A cereja do bolo ficou mesmo para a bela onça-pintada: maior felino das Américas, terceiro maior felino do planeta, mordida mais forte entre todos os felinos do mundo e ameaçada de extinção. Mesmo com as medidas de proteção, como proibição da caça, a quantidade de indivíduos no meio ambiente é bastante reduzida. E, pior ainda: por ter hábitos solitários, torna-se quase impossível de ser vista em 99% da área de ocorrência.

 

Brazil Safáris: rotina, método, tecnologia

 

Entretanto, conhecendo rotinas, trabalhando com método, usando tecnologia, a Brazil Safáris ampliou as possibilidades de encontrá-las naquele 1% de terreno. A satisfação dos clientes da empresa prova isso. Não só porque avistaram onças-pintadas, mas pelo Pantanal abrigar mais diversidade que somente os Big Five. São cerca de 450 espécies de aves, 60 de mamíferos e número indefinido de répteis. Tem muita coisa para olhar.

Por essa razão, Bráulio Carlos inovou também buscando ampliar as boas lembranças. E criou o que pode ser definido como Guia de Bolso para Observação da Diversidade no Pantanal. Trata-se de pequeno folheto, fácil de ser manuseado, com 151 imagens de animais, pássaros e répteis. Com uma caneta, o turista marca com pequenos traços o que vai encontrando e, ao final, leva para casa uma recordação física de todas as emoções.

Para concluir, é bom observar que tanto a Brazil Safáris quanto seu idealizador, Bráulio Carlos, não dormem sobre louros já conquistados. Assim que a propulsão por motores elétricos se tornar viável, barcos e veículos vão reduzir ainda mais seus impactos no meio ambiente. E ele, em 2013, comprou quase 100 hectares de terras, para atividades de pesquisa e a criação de uma Reserva Particular de Proteção à Natureza — RPPN.

 


 

Matéria desenvolvida a partir dos seguintes investimentos do Governo do Estado do Mato Grosso:

• Participação no fampress de jornalistas brasileiros e estrangeiros, dias 16 a 19 de abril de 2016, pelos seguintes destinos do Estado do Mato Grosso: Município de Cáceres, Município de Chapada dos Guimarães, Município de Campo Novo dos Parecis, Município de Cuiabá,Município de Jaciara e Município de Nobres; e,

• Acompanhamento da Feira Internacional de Turismo do Pantanal — FIT Pantanal 2016, dias 20 a 24 de abril, no Centro de Eventos do Pantanal, na Cidade Verde de Cuiabá, capital do Estado.