Foi na Cidade de Detroit, no Estado de Michigan, ao Norte dos Estados Unidos da América, que se fundou o primeiro Convention & Visitors Bureau no mundo, em 1896. Ideia foi lançada por um jornalista, com objetivo trabalhar profissional para atrair mais eventos para aquela região.

Matéria de jornal leva à criação do primeiro Convention & Visitors Bureau no mundo

Charles Brady King e sua carruagem sem cavalos, em, 1896, ano em que o primeiro convention & visitors bureau do mundo foi criado nos Estados Unidos da América, mais precisamente, na cidade de Detroit, capital dos setores de metal e mecânica

 

Primeiro Convention Bureau: Detroit ou Londres?

Uma controvérsia marca a origem dos conventions bureaux: qual foi o primeiro? O da cidade norte-americana de Detroit, de 1896, ou o da capital da Inglaterra, Londres, de 1905? Há defensores para ambos. Se focarmos o aspecto do associativismo de empresas buscando fomentar negócios do turismo, é claro que é o da primeira. Caso olhemos pelo lado da apenas da sua denominação institucional, o da segunda então será o escolhido.

Na opinião deste redator, depois de pesquisar sobre o tema apenas no ambiente Web, fico com a Detroit Convention and Businessmen’s League — ou Liga de Convenções e Homens de Negócios de Detroit. A entidade funcionou com este nome até 1907, quando adotou Detroit Convention & Tourist Bureau, seguindo o pioneirismo dos ingleses, com seu London Convention & Visitors Bureau, o que deu, então, margem àquela polêmica.

A entidade surge numa cidade e região dominada pelos setores de metal e mecânica — líder na produção de fogões e móveis de cozinha —, no mesmo ano em que ganhou projeção mundial. Foi quando Charles Brady King deixou sua oficina na direção de uma carruagem sem cavalos, movida por um motor de dois tempos. Era o marco zero da indústria automobilística, até hoje, mesmo após crises e crises, a marca de Detroit.

Primeiro Convention Bureau: criação em tempo recorde

Matéria de jornal leva à criação do primeiro Convention & Visitors Bureau no mundo

O jornalista Milton Charmichael e a primeira página da edição de 6 de fevereiro de 1896 do The Detroit Journal, publicação na qual saiu o artigo chamando atenção para a necessidade de se criar uma instituição voltada à atração de eventos para a cidade

O organismo foi criado em tempo recorde, graças ao pragmatismo dos empresários daquele país. Eles tornaram reais reflexões expostas pelo jornalista Milton Charmichael num artigo publicado no The Detroit Journal do dia 6 de fevereiro de 1896. Este havia mudado recentemente para lá, e colocou no texto situações até então não percebidas pelos que lá viviam há tempos, demonstrando visão estratégica rara para aquela época.

Detroit, por deter economia poderosa, exercia grande apelo no segmento dos negócios. Desde o início do século XIX, gente de origens variadas viajava até lá para convenções de vendas, lançamentos de produtos, reuniões de trabalho, etc. Em virtude desse vai e vem contínuo, donos de bares, investidores de hotéis, motoristas de táxis, proprietários de restaurantes, sócios de receptivos e muitos outros mais não tinham do que reclamar.

Mas Michael Charmichael viu ali uma oportunidade bem mais ampla. E expressa isto nas frases daquele seu texto. Inicia dando destaque ao fato de Detroit ter fama de cidade de convenções. Acentua que visitantes viajam milhares de quilômetros para participar de eventos na cidade. Observa que industriais de todo o país usam a hotelaria local para promover reuniões. E tudo isso vinha acontecendo sem o apoio da comunidade local.

Primeiro Convention Bureau: vitória de um jornalista

Matéria de jornal leva à criação do primeiro Convention & Visitors Bureau no mundo

Fachada do Hotel Cadillac, no Centro da cidade de Detroit, e palco das reuniões que levou à criação do primeiro convention & visitors bureau da história, entidade hoje atuante na recuperação econômica da antiga capital mundial da indústria automobilística

Depois de enfatizar que todos peregrinam para Detroit porque querem ou precisam, faz então a proposta inovadora: realizar um esforço conjunto dos interessados para garantir mais convenções nacionais ano após ano, o que significaria a vinda mais e mais pessoas de todas as regiões americanas e até de outras nações. Este contingente deixaria alguns milhões de dólares por lá, recursos que beneficiariam a economia local como um todo.

O editorial chamou a atenção de empresários e comerciantes, membros da Câmara de Comércio e do Clube dos Fabricantes. Depois de reuniões com a presença de agentes de venda do sistema ferroviário, hoteleiros e empreendedores de variados segmentos, num encontro no Hotel Cadillac, fundaram uma organização com o objetivo de promover, sob forma ordenada, esforços contínuos para atrair mais e mais convenções para cidade.

Entretanto, este caminho não foi tão fácil como alguns podem acreditar. Nas reuniões, Michael Carmichael defendia investimentos para trazer gente de fora. E era contestado por gente taxando como desperdício usar recursos de empresas em projeto mirabolante. Esta corrente defendia caber às autoridades locais investir para captar novos eventos e atrair visitantes. No final, a visão do profissional de imprensa se impôs e prevaleceu.

Primeiro Convention Bureau: ideia copiada no mundo todo

Matéria de jornal leva à criação do primeiro Convention & Visitors Bureau no mundo

Site da International Association of Convention & Visitors Bureaux — identificada pela sigla IACVB —, ou, traduzindo para o nosso português, Associação Internacional dos Convention & Visitors Bureaux, entidade que congrega os convention bureaux em todo o mundo

A Detroit Convention and Businessmen’s League começou com 20 associados. Mas a ideia foi vingando e sendo copiada por outras cidades dos Estados Unidos da América, e até do exterior. Em 1915, já havia 12 outros conventions. Seus dirigentes então acharam ser a hora de se criar uma organização que, além de os representar em bloco, trabalhasse com o objetivo maior de fazer aquele tipo de iniciativa ser espraiada por todo o planeta.

E, numa demonstração inequívoca de que aqueles pioneiros reconheciam a Detroit Convention and Businessmen’s League como a célula mater do processo, escolheram aquela cidade para formar o que deu origem ao que é agora a International Association of Convention & Visitors Bureaux — identificada pela sigla IACVB —, ou, traduzindo para o nosso português, Associação Internacional dos Convention & Visitors Bureaux.

Curiosidades da criação do primeiro convention & visitors bureau

  • Charles Brady King, o primeiro a dirigir um carro pelas ruas de Detroit, foi um dos fundadores da entidade.
  • Em 1913, um boletim da League contabiliza a perda de 3.500 eventos nos últimos seis anos pela falta de espaço na cidade.
  • Michael Carmichael teve o privilégio de ver sua ideia dar frutos, pois só veio a falecer em 1948.

Parte do texto original de Michael Carmichael

Ao longo dos últimos anos, Detroit construiu fama de cidade de convenções. Visitantes vêm de milhares de quilômetros de distância para participar de eventos empresariais. Fabricantes de todo o país usam nossa hotelaria para promover reuniões onde discutem os temas de seus interesses, mas tudo isso sem que haja um esforço por parte da comunidade, nem uma ação que vise dar-lhes algum apoio durante sua estadia entre nós. Eles simplesmente vêm para Detroit porque querem ou precisam. Será que Detroit, através de um esforço conjunto, não conseguiria garantir a realização de 200 ou 300 convenções nacionais ao longo do próximo ano? Isso significaria a vinda de milhares e milhares de pessoas de todas as cidades americanas, e elas gastariam milhares de dólares no comércio local, beneficiando a população da cidade.


Clique nos trechos em colorido ao longo do texto para abrir novas guias, com informações complementares ao aqui sendo tratado. Eles guardam links levando para verbetes da Wikipedia e sites de empresas, entidades, Governos estaduais, Prefeituras etc.

A repetição da expressão “Primeiro Convention Bureau” é intencional. Ela é a principal palavra-chave dos conteúdos. Colocá-la várias vezes na postagem faz parte das técnicas de Search Engine Optimization — SEO, ou otimização para ferramentas de busca. Ajuda a destacar o trabalho na lista apresentada quando se pesquisa com Bing, Google ou Yahoo!.

Nos meus textos de divulgação de turismo, adotei o critério de, ao citar uma cidade, fazê-lo em conjunto com seu apelido. Exemplo: Cidade Presépio de Vitória ou Cidade Canela Verde de Vila Velha. E, também, Estado do Espírito Belo e Santo.

Todas as fotos têm autoria identificada. Se algum autor não concordar com sua publicação é só avisar que será substituída.